1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futurando!

Bolsas de plástico reciclado ajudam a reduzir lixo

Beber água ensacada é comum em alguns países da África. Mas a embalagem plástica, que depois é jogada fora, prejudica o meio ambiente. Um ideia em Gana mostra como é possível reciclar o lixo com criatividade.

A sexta edição do Futurando chama a atenção para a reciclagem. Um projeto na Guatemala constrói casas e escolas à base de lixo. Na África Ocidental, não é diferente. Também lá se recicla. A partir de pequenos sacos plásticos, nos quais estiveram armazenados 500 ml de água, são fabricadas bolsas.

Em países como Gana, a água potável é vendida em sacos plásticos. A tradição já dura dez anos, e o preço por unidade é de dois centavos de euro. Higiênicas e de preço acessível, as embalagens acabam espalhadas pelas ruas e entopem bueiros. O paradeiro final dos pacotes não é novidade. Bueiros entupidos resultam em enchentes e problemas de cidade grande. No Brasil, acontece o mesmo com as garrafas plásticas e sacolas que não têm destino certo.

Na capital de Gana, Acra, um arquiteto britânico desenvolveu uma técnica para reaproveitar essas embalagens. "Quando vim a Acra, há seis anos, o problema do lixo plástico ficou muito claro para mim", conta Stuart Gold. Em 2006, ele fundou a organização Trashy Bags, uma iniciativa de transformar embalagens plásticas em bolsas.

Encarecimento do produto

20 milhões de embalagens de água já foram recicladas

20 milhões de embalagens de água já foram recicladas

A fábrica do britânico em Acra recebe diariamente muitos pacotes de água potável. Os 60 funcionários da Trashy Bags são responsáveis por lavar as embalagens três vezes e colocá-las para secar ao sol.

Depois, os sacos plásticos são separados por cor. A equipe de colaboradores costura um pacote no outro, transformando o material numa espécie de tecido que, então, é trabalhado até resultar em bolsas para laptops e carteiras, por exemplo. Todo esse processo é chamado, em inglês, de upcycling. Significa que o produto final tem maior valor ou qualidade do que os resíduos usados no início dos trabalhos.

A população de Gana simpatiza com a bolsa fabricada à base de lixo, mas os ganeses não são os principais consumidores do produto reciclado. A empresa do britânico foca na exportação. "Aqui em Acra, principalmente os turistas ou imigrantes nos procuram para comprar a bolsa", comenta Gold. "Exportamos para a Holanda, Reino Unido, Estados Unidos e Japão. Também temos vendedores na Alemanha."

Vendas online

A loja virtual do alemão Bernhard Erkelenz vende as bolsas recicladas na capital de Gana. Mas não só elas. Em seu depósito, na cidade de Colônia, o comerciante armazena artesanato, pedras e tecidos africanos.

O plástico para a reciclagem é lavado, secado e separado por cor

O plástico para a reciclagem é lavado, secado e separado por cor

As bolsas correspondem a apenas uma pequena parte do seu faturamento. O alemão não acha que o futuro da Trashy Bag esteja na exportação, mas sim no mercado interno, em Gana. Ele defende sua posição dizendo que além das bolsas do britânico serem peculiares e incomuns no exterior, sempre é preciso explicar ao consumidor estrangeiro por que o produto é especial. "Na Alemanha, por exemplo, as pessoas não conhecem esses pacotinhos de água."

Mesmo assim, Erkelenz acredita na competitividade da Trashy Bag. Ela é robusta, devido ao polietileno, material do qual é feito o pacote que embala a água potável. O polietileno, assim como a maioria dos plásticos, deriva do petróleo. Assim ele é resistente a alguns ácidos e produtos químicos e demora centenas de anos para se decompor.

Para conscientizar a população dos danos ao meio ambiente, a empresa do britânico, em parceria com outras organizações, planeja diferentes projetos. Um deles é conseguir que a fabricação de sacolas ecológicas seja subvencionada. "Desta forma, a população de Gana poderia voltar a comprar bolsas recicladas, o lixo diminuiria, e seriam gerados empregos", explica Gold.

A empresa já reciclou aproximadamente 20 milhões de pacotes plásticos. O alemão Erkelenz viaja a Gana uma vez por ano. Na opinião dele, as mudanças no país são visíveis. "Se compararmos as ruas de Gana com as de cinco anos atrás, é possível observar uma grande mudança. Até mesmo nas ruas menos movimentadas não há mais tanto lixo jogado no chão."

Água contaminada

Ghana-Trashy Bags Beim Nähen der Trashybags

A Trashy Bag é feita por pacotes costurados uns aos outros

Desde que começou o trabalho de reciclagem, as ruas de Acra estão mais limpas. Mas o problema "saquinhos de água" está longe de ser resolvido. Além da embalagem trazer consequências negativas ao meio ambiente, a qualidade da água vendida nesta embalagem é discutível.

Em 2005, cientistas da Universidade do Gana descobriram que 77% dos pacotes com água analisados continham agentes causadores de doenças. Por isso, em 2011, a Vigilância Sanitária colocou em uma lista negra 28 fabricantes de água potável e sucos de frutas, vendidos em embalagens plásticas flexíveis.

Autor: Vanessa Hermann e Hervé Gogua (br)
Revisão: Francis França

Assistir ao vídeo 26:07

Futurando 6

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados