1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Bola da vez

Ministro põe cargo em risco ao questionar objetivos dos EUA numa guerra com Iraque e acusar Bush de responsável pela crise transatlântica. Oposição compara episódio ao que derrubou ex-ministra da Justiça.

default

CDU quer a cabeça de Jürgen Trittin

Parecia que, após as concessões feitas no âmbito da Otan e da União Européia sobre a questão iraquiana, o chanceler federal Gerhard Schröder conseguira aliviar um pouco a fervura nas relações de Berlim com Washington. Mas eis que o social-democrata alemão já tem um novo incêndio para apagar. Em entrevista ao jornal Die Welt, o ministro do Meio Ambiente negligenciou a aconselhável cautela em assuntos diplomáticos.

Não que Jürgen Trittin tenha dito algo novo. Sua interpretação da crise é a mesma de cientistas políticos, intelectuais, religiosos, ONGs, militantes, reportagens e muitos cidadãos comuns. O ministro verde é, porém, o primeiro membro do governo a declarar publicamente que George W. Bush está de olho é no petróleo e na posição geoestratégica do Iraque e que a eliminação das armas de extermínio não passa de pretexto.

Herta Däubler-Gmelin reagiert auf den Vorwurf, sie habe Bushs und Hitlers Methoden verglichen

Herta Däubler-Gmelin comparou métodos de Bush e Hitler. Acabou perdendo o cargo

As palavras do líder verde imediatamente desenterraram da memória o episódio da ex-ministra da Justiça Herta Däubler-Gmelin, que em setembro comparou Bush a Adolf Hitler, ao dizer que o presidente americano estava explorando um conflito externo (Iraque) para desviar a atenção da população dos problemas internos (crise econômica) de seu país. A declaração e a falta de uma reação imediata do chanceler federal irritou tanto a Casa Branca que Bush nem sequer parabenizou Schröder por sua reeleição, poucos dias depois. Somente após o pleito, o social-democrata dispensou sua correligionária de partido durante a reforma ministerial.

CDU: Trittin interpreta às avessas

"Dizer que os EUA querem promover uma guerra devido ao petróleo é uma suposição tola e polêmica, que só pode ser explicada com reflexos antiamericanos da velha esquerda. (O fato de) o governo não ter tido força para se distanciar oficialmente da entrevista será registrado com atenção por Washington", criticou o jornal General-Anzeiger, de Bonn. Mais de 24 horas após a publicação das declarações, Gerhard Schröder não havia se pronunciado a respeito. Segundo o Die Welt, o ministro do Exterior, o também verde Joschka Fischer, teria se limitado a afirmar que "em primeira linha" a política americana para o Iraque não visa o petróleo.

Joschka Fischer in New York

Joschka Fischer não concorda com seu colega de ministério e partido

Da oposição, veio a esperada condenação, acompanhada da reivindicação da cabeça do ministro. "Se o chanceler ainda tiver uma faísca de autoridade neste gabinete, ele a deve usar agora", cutucou o deputado democrata-cristão Peter Hintze.

Também da CDU, Friedbert Pflüger acusou Trittin de promover "a continuação das insinuações, acusações e do denuncismo, que visam passar a impressão de que não são o ditador Saddam Hussein e suas armas de extermínio um problema para uma ordem mundial pacífica, mas os EUA e o presidente Bush". O deputado acredita que, se o interesse dos americanos estivesse no petróleo, "eles não teriam saído do Iraque em 1991".

Leia mais