1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bocas de urna dão vitória do "não" em referendo na Grécia

Projeções indicam que maioria optou por rejeitar as propostas dos credores sobre a ajuda para pagar a dívida do país. Em entrevista à televisão, ministro grego diz que as pessoas disseram "não à campanha do medo".

As primeiras projeções divulgadas pelas televisões gregas após o fechamento das urnas do referendo deste domingo (05/07) apontam para uma vitória, por escassa margem de vantagem, do "não" às propostas dos credores do país em troca de ajuda para pagar a dívida da Grécia.

Com mais da metade das urnas apuradas, estimativas indicam que cerca de 60% da população rejeitou as medidas de austeridade apresentadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central Europeu (BCE) e a Comissão Europeia. Milhares de pessoas acompanharam a apuração dos votos nas ruas de Atenas.

Segundo a agência de noticias grega AMNA, a participação nas urnas foi de cerca de 65%, similar à das eleições gerais, em janeiro. O referendo ocorreu sem incidentes. Os mais de 19 mil locais de votação abriram às 7h (horário local).

Em entrevista à televisão pública, o ministro adjunto da Segurança Social, Dimitris Stratulis, disse que as pessoas disseram "não à campanha do medo", rejeitando a proposta dos credores, o que fortalece a posição do governo nas negociações.

Já o deputado Miltiadis Varvitsiotis, do Nova Democracia, partido que participou do governo anterior, observou que "há polarização e divisão". "Amanhã, nada mudará na realidade econômica. A divisão não torna o dia seguinte mais fácil", observou Varvitsiotis, que foi ministro da Marinha Mercante no último governo.

Uma pesquisa de opinião divulgada na sexta-feira indicou uma ligeira vantagem para o "sim". O levantamento, encomendado pelo jornal grego Ethnos ao instituto de pesquisas Alco, mostrou uma mudança na tendência revelada por uma pesquisa anterior, que colocava à frente o voto no "não".

Assistir ao vídeo 02:48

E se a Grécia sair da zona do euro?

A sondagem colocou o "sim" em ligeira vantagem, com 44,8% dos entrevistados se declarando a favor das reformas. Os eleitores contrários às medidas de austeridade somaram 43,4% e os indecisos, 11,8%.

Dívida

O FMI, o BCE e a Comissão Europeia exigiram que o governo grego tome uma série de medidas de austeridade em troca da liberação da última parcela do pacote de resgate econômico à Grécia, no valor de 7,2 bilhões de euros.

Na última terça-feira, expirou o prazo para Atenas quitar uma dívida de 1,6 bilhão de euros com o FMI. As negociações entre o primeiro-ministro Alexis Tsipras e os credores internacionais se arrastaram por cinco meses sem se chegar a um acordo.

A chanceler alemã Angela Merkel vai se encontrar nesta segunda-feira com o presidente francês François Hollande para discutir o resultado do referendo.

KG/afp/efe/lusa/dpa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados