1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Boca de urna aponta Petro Poroshenko como novo presidente da Ucrânia

Magnata de 48 anos teria obtido 55,9% dos votos, bem à frente da segunda colocada, a ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko. Grande parte das seções eleitorais no leste do país permaneceu fechada.

Após ter sido apontado pelas pesquisas boca de urna como novo presidente da Ucrânia, o magnata Petro Poroshenko declarou que os eleitores ucranianos fizeram a escolha "da integração europeia". De acordo com a sondagem, o bilionário, conhecido como "rei do chocolate", teria assegurado 55,9% dos votos, bem à frente da ex-primeira ministra Yulia Timoshenko, em segundo lugar com apenas 12,9% dos votos.

"Todas as urnas mostram que as eleições foram encerradas em apenas um turno e que o país tem um novo presidente", declarou Poroshenko.

Yulia Timoshenko já admitiu derrota e considerou que as eleições foram "justas e claras". A ex-primeira-ministra ucraniana ressaltou que "as eleições ocorreram em condições de agressão militar [por parte da Rússia]", mas destacou que o escrutínio "foi uma grande vitória para a Ucrânia e para o povo ucraniano".

De acordo com a Comissão Eleitoral Central (CEC) da Ucrânia, 40,4% da população apta a votar compareceram às urnas. Pesquisas boca de urna também indicam que os eleitores de Kiev elegeram o ex-pugilista Vitali Klitschko novo prefeito da capital ucraniana pela Aliança Democrática Ucraniana para Reforma, com 57,5% dos votos.

Tensão e medo no leste

Diante do clima tenso, por conta dos confrontos violentos entre separatistas no leste do país e tropas leais a Kiev, 100 mil policiais e voluntários foram mobilizados para garantir a segurança durante o dia de votação. Cerca de 1,2 mil observadores internacionais fiscalizaram a movimentação nas urnas.

Ainda assim, houve registro de episódios violentos durante o dia. Uma pessoa morreu e outra ficou ferida em um tiroteio ocorrido em uma seção eleitoral na localidade de Novoaidar, na região separatista de Lugansk – controlada por grupos rebeldes pró-Rússia. A informação foi confirmada pelo vice-ministro ucraniano do Interior, Serguei Iarovoi.

Um porta-voz da autoproclamada República Popular de Lugansk, porém, afirmou que soldados ucranianos dispararam sobre dois membros de uma comissão eleitoral que tinham se recusado a abrir uma seção.

A vice-presidente da comissão eleitoral, Zhanna Usenko-Chornaia, disse que os rebeldes lutaram com as forças ucranianas para tentar ficar com as cédulas de voto e impedirem a realização das eleições presidenciais.

Segundo a CEC, em Lugansk foi possível votar em apenas duas das 12 circunscrições eleitorais locais, enquanto na "república popular independente" de Donetsk, houve votação em apenas nove das 22 zonas.

O português João Soares, coordenador dos observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) nas eleições ucranianas, contou que as pessoas estavam com muito medo na região de Donetsk "por causa da intimidação por parte dos separatistas".

Leia mais