BND usou dados coletados para interesses próprios | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.05.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

BND usou dados coletados para interesses próprios

Serviço secreto alemão não ajudou apenas a Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA a espionar empresas, ministérios e Comissão Europeia, mas também usou a informação interceptada, afirma jornal alemão.

O Departamento Federal de Informações da Alemanha (BND) não teria apenas ajudado a Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA a espionar empresas, ministérios e agências europeias, mas também utilizou os dados interceptados para seus próprios interesses, afirmou o tablóide alemão Bild neste sábado (02/05).

De acordo com a publicação, citando participantes da comissão de inquérito da NSA, os dados obtidos pelo BND por meio de espionagem foram por vários anos analisados, parcialmente copiados e utilizados em relatórios. Como precaução, porém, as informações sobre cidadãos alemães teriam sido filtradas anteriormente.

Os dados interceptados não seriam somente os chamados metadados, mas registros completos de mensagens de e-mails, além de escutas telefônicas. O jornal diz que a comissão de inquérito agora quer verificar até que ponto o BND teria avaliado as conversas gravadas por meio das interceptações.

Entre os registros interceptados estariam as comunicações em zonas de conflito, como por exemplo, entre Afeganistão e Paquistão, além das de empresas e órgãos europeus ativos no Oriente Médio.

Embaixador dos EUA defende cooperação

Segundo a imprensa alemã, o BND ajudou a NSA a espionar dados de altos funcionários do governo francês, da Comissão Europeia e grandes empresas da Europa. A Airbus, uma das que teriam suas comunicações interceptadas, anunciou na quinta-feira que vai apresentar queixa-crime contra pessoas desconhecidas por suspeita de espionagem industrial.

O vice-presidente do Partido Social-Democrata (SPD), Ralf Stegner, pediu providências, caso as suspeitas sejam confirmadas. "Ou a chancelaria não sabia de nada ou falhou em relação à supervisão", afirmou à NDR, emissora regional de rádio e TV. "O que seria pior ainda, a chancelaria sabia, mas enganou a opinião pública", acrescentou.

Por sua vez, o embaixador dos EUA em Berlim, John Emerson, defendeu as ações da NSA usando como referência as diferenças culturais. "Os americanos veem como violação da privacidade quando alguém lê suas cartas e e-mails ou escuta os telefonemas", afirmou Emerson ao jornal Kölner Stadt-Anzeiger neste sábado.

Já os alemães, para Emerson, afirmam que a privacidade foi ferida "quando alguém coleta os dados de comunicação". Sobre o debate em relação ao papel do BND, o diplomata diz ainda que "a cooperação existente entre as nossas agências de inteligência não é segredo".

FC/epd/rtr/afp

Leia mais