Bispo do Xingu recebe Nobel Alternativo por luta a favor dos indígenas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 06.12.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Bispo do Xingu recebe Nobel Alternativo por luta a favor dos indígenas

O austríaco Erwin Kräutler foi nomeado em setembro um dos ganhadores do chamado Right Livelihood Award. O bispo representa os povos indígenas e a luta pela preservação da Amazônia.

default

Bispo Erwin Kräutler

Ele é austríaco, mas é reconhecido mundialmente como representante de um povo que deu a vida e o sangue para evitar a destruição sistemática da Amazônia. Erwin Kräutler, bispo da Prelazia do Xingu, é um dos ganhadores do Right Livelihood Award, prêmio que recebe nesta segunda-feira (06/12) no Parlamento sueco.

Um pouco antes da cerimônia, Kräutler agradeceu o reconhecimento, destacando a causa pela qual se empenha: "Aceito o Right Livelihood Award em nome dos que batalham comigo hoje, em nome dos povos indígenas, da Amazônia e dos direitos humanos."

Erwin Kräutler, nascido na Áustria em 1939 e naturalizado brasileiro em 1978, disse se sentir honrado com a premiação em um momento em que a luta em nome dos povos indígenas está ganhando nova dimensão e maior importância, diante dos projetos de desenvolvimento que ameaçam a Amazônia.

O prêmio

Todos os anos, o Right Livelihood Award, que leva o nome da fundação que o concede, homenageia pessoas que oferecem soluções práticas e exemplares para os principais desafios da atualidade.

Além do bispo austríaco atuante no Xingu, o Nobel Alternativo deste ano também foi concedido ao ambientalista nigeriano Nimmo Bassey, ao ativista rural nepalês Shrikrishna Upadhyay e à associação de médicos PHRI (Physicians for Human Rights-Israel).

Dom Erwin mora em Altamira, no Pará, preside o Conselho Indigenista Missionário e atua energicamente contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte no rio Xingu desde a década de 1980. O início das obras aguarda a licença ambiental do Ibama, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

Enquanto isso no Pará...

A licença ainda não saiu, mas o consórcio responsável pela usina hidrelétrica de Belo Monte espera iniciar as obras ainda este ano. Segundo a Norte Energia, toda a documentação já foi entregue ao órgão ambiental.

O contrato de concessão de Belo Monte, assinado em agosto último pelo presidente Lula, diz que o Ibama tem até março de 2011 para emitir a licença de instalação, mas os empreendedores querem antecipar o cronograma.

Em fevereiro de 2010, a obra recebeu licença parcial, emitida com as chamadas 40 condicionantes para que o processo continue. A licença de instalação é a segunda fase do licenciamento ambiental e autoriza o início das obras.

O Ministério Público Federal no Pará também se opõe ao projeto e pediu que o Ibama não emita a licença de instalação parcial. A Norte Energia é uma sociedade de capital fechado constituída especialmente para participar do leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em abril deste ano. A empresa é formada pela Chesf, subsidiária da Eletrobras, com participação da Queiroz Galvão, Gaia Energia e outras seis empresas.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Simone Lopes

Leia mais