1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Biotecnologia brasileira em Hanôver

Entre os expositores da feira Biotechnica, que se realiza de dois em dois anos em Hanôver, está o Centro de Biotecnologia da Amazônia.

default

Florestas, celeiros de matérias-primas

Este ano, a Biotechnica está acontecendo de 7 a 9 de outubro e reúne em seus 13.700 m² cerca de 1100 expositores, em sua maioria pequenas e médias empresas, que discutem as novas tendências da área dentro de um programa vasto que inclui conferências, workshops, simpósios e apresentações referentes a países específicos.

A participação brasileira

Uma empresa brasileira é parte essencial deste fórum: o CBA, Centro de Biotecnologia da Amazônia. Vem mostrar alguns produtos brasileiros, mas também representar no exterior o desenvolvimento do Brasil na área de biotecnologia. Pretende e tem grande potencial para ser um ícone relacionado à biodiversidade e biotecnologia da Amazônia no futuro. Como parte deste processo, a Suframa prevê a realização, de 15 a 18 de setembro de 2004, da II Feira Internacional da Amazônia, que pretende divulgar a região e seus produtos, bem como atrair investimentos e parcerias.

DW-WORLD entrevista CBA

O CBA, desenvolvido pelos ministérios do Desenvolvimento, da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente, tem por meta abastecer a região com tecnologias que possam fornecer valor agregado às matérias-primas encontradas na Amazônia. Para tanto, conta com o apoio e os recursos da Suframa, autarquia ligada ao Ministério do Desenvolvimento.

Em entrevista à DW-WORLD, Imar César de Araújo, coordenador do centro e diretor do Departamento de Promoção de Investimentos da Suframa, explicou que de outra forma, em estado bruto, estas matérias-primas seriam exportadas a quantias ínfimas e depois revendidas a preços altos. As pesquisas do centro para a produção de extratos, óleos essenciais, fármacos e fitoterápicos, cosméticos, enzimas de interesse biológico, entre outros, visam não apenas tornar o Brasil exportador de produtos finais de alto valor agregado derivados das matérias-primas encontradas na Amazônia, mas também a conservação do meio ambiente.

Biopirataria

Outro objetivo primário do CBA, esclareceu Araújo, é a preservação da Amazônia através de conhecimento. A biopirataria na região amazônica, apesar de normalmente não envolver grandes organizações, "ainda é bem-sucedida porque não conhecemos o que possuímos. As patentes e registros de marcas nos garantem direitos reconhecidos no mundo todo. Se temos como provar que tal produto é de origem amazônica, podemos reivindicar a patente do produto pirateado, como demonstra o ato público movido recentemente por organizações da Amazônia e do Acre contra o registro do nome da fruta cupuaçu como marca comercial da empresa japonesa Asahi Foods".

Os participantes da Biotechnica, assim como a grande maioria das empresas de biotecnologia, são pequenas empresas: o principal capital necessário é o intelectual. A capacidade de se fechar parcerias estratégicas, a flexibilidade, a inovação contínua, a rapidez no lançamento de produtos e o cuidado com questões legais que assegurem a propriedade das descobertas constituem por sua vez fatores essenciais à competitividade de mercado. O Centro de Biotecnologia da Amazônia segue este mesmo padrão.

A feira de biotecnologia de Hanôver, ao expor as últimas tendências e técnicas do mercado, mostra que conhecimento move o mundo e pode proteger a biodiversidade. A Suframa e o CBA são bons exemplos: fomentando a bioindústria brasileira e protegendo a Amazônia, prestam serviço à comunidade local e nos dão a esperança de que os bioespertalhões não podem vencer sempre.

Leia mais

Links externos