1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Billy Wilder mostrou "ao mundo uma imagem diferente da Alemanha"

Presidente da Alemanha envia pêsames à viúva do cineasta, que nasceu na Polônia, cresceu na Áustria e fugiu da Alemanha em 1933 devido à sua origem judia. Depois da guerra, Wilder voltou ao país para rodar vários filmes.

default

O cineasta, em 1962, durante as filmagens de "Irma La Douce" em Paris

Em "nome de todos os alemães", o presidente Johannes Rau comunicou à viúva Audrey Wilder seu pesar pela morte do diretor e roteirista de cinema, que foi fazer sucesso em Hollywood após ter de fugir da Alemanha para escapar da perseguição nazista. Billy Wilder morreu na madrugada de quinta-feira em Beverly Hills, aos 95 anos. Ele sofria de câncer na língua.

Em sua mensagem, o chefe de Estado alemão destacou o artista como "diretor excepcional e pessoa maravilhosa" e lembrou o passado de Wilder. Austríaco, o sarcástico cineasta nascera como Samuel em 22 de junho de 1906 em Galizien, uma cidade localizada em território hoje pertencente à Polônia. Cresceu em Viena, Áustria, onde cursou a universidade.

Em 1929, foi viver em Berlim, como jornalista e roteirista de 11 filmes. Devido à sua ascendência judia, o jovem Wilder fugiu do regime nazista, indo primeiro para Paris, depois México e finalmente Estados Unidos, onde assumiu a cidadania americana. Sua mãe, uma avó e outros parentes foram assassinados pelos alemães no campo de concentração de Auschwitz, na Polônia.

"Embora ele tenha tido de abandonar Berlim, em 1933, sob circunstâncias indignas, ele rodou após a guerra filmes importantes na Alemanha e mostrou ao mundo uma imagem diferente do país", elogiou Rau em sua mensagem à viúva.

Wilder esteve na Alemanha pela última vez há sete anos, durante a Berlinale, o Festival Internacional de Cinema. Mais recebeu em casa a condecoração Ordem do Mérito Federal, concedida pela Alemanha.

Premiado seis vezes com o Oscar, Billy Wilder tornou-se famoso por obras como O pecado mora ao lado e Quanto mais quente melhor, ambos com Marylin Monroe, além de O crepúsculo dos deuses. Como roteirista, participou de Ninotchka e A oitava esposa do Barba Azul.

Leia mais

Links externos