1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Biden defende ação internacional na Síria

No segundo dia da Conferência sobre Segurança de Munique, vice-presidente dos EUA diz que presidente sírio não tem condições de governar. E renova oferta ao Irã de "negociação direta" sobre política nuclear do país.

Durante a Conferência sobre Segurança de Munique, neste sábado (2/02), o vice-presidente norte-americano, Joe Biden, assegurou a perpetuação de uma estreita parceria entre os Estados Unidos e a Europa. Segundo ele, os europeus continuam sendo os aliados mais próximos dos norte-americanos. O presidente Barack Obama, acrescentou Biden, acredita que a Europa e os EUA devem enfrentar juntos as ameaças que surgirem.

O vice-presidente falou mencionou ainda sua oferta de "negociações diretas" com o Irã em relação à política nuclear do país asiático. Entretando, reforçou, o importante é que Teerã leve isso realmente a sério. O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, fez um apelo oficial para que o Irã "aproveite a oportunidade" e inicie um diálogo. Westerwelle definiu como um sinal errôneo por parte de Teerã o anúncio de que o país pretende acelerar o enriquecimento de urânio.

Ação da comunidade internacional

A Conferência sobre Segurança realizada na cidade alemã de Munique concentrou-se, contudo, no tema Síria. Biden defendeu uma ação da comunidade internacional no país. Segundo ele, o presidente sírio, Bashar al-Assad, não tem direito algum de se manter no poder, não estando em condições de governar.

A Síria já havia sido o assunto principal no início da conferência. O enviado especial das Nações Unidas à Síria, Lakhdar Brahimi, não se mostrou muito seguro de que será possível chegar a uma solução rápida para os conflitos.

Brahimi conclamou os países-membros do Conselho de Segurança da ONU a buscarem um acordo sobre a situação no país. "Precisamos com urgência de uma ação internacional e essa ação tem que vir do Conselho de Segurança", afirmou Brahimi.

Divergências no Conselho de Segurança

Syrien Bürgerkrieg Oppositionschef Moas al-Chatib

Líder oposicionista Al-Chatib pede maior atuação internacional frente aos conflitos na Síria

Os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU não estão coesos com relação à situação na Síria. Os EUA, o Reino Unido e a França defendem que Bashar al-Assad perdeu toda a legitimidade de permanecer no cargo após ter ordenado missão militar contra civis. A Rússia, que fornece armas ao governo sírio, e a China alertam, por outro lado, para uma suposta "interferência" de fora no país.

O líder da oposição síria, Ahmed Moaz al-Chatib, conclamou a comunidade internacional a intervir na guerra civil que acontece no país. "Vivemos aqui uma verdadeira tragédia", disse Al-Chatib durante a conferência em Munique.

Segundo ele, "há uma brutalidade incrível neste regime", que viola mulheres e tortura crianças. Até mesmo crianças de cinco anos são torturadas até a morte, completou o líder oposicionista. Ele acusou a comunidade internacional de não saber lidar com o massacre que ocorre na Síria.

Westerwelle garantiu à oposição síria mais apoio. A chamada Coalizão Nacional ganhou maior capacidade de negociaciação e caminha para um consenso real, disse o ministro alemão depois de se reunir com Al-Chatib e Brahimi. Quanto mais rápido e de forma mais clara isso acontecer, acredita, mais confiabilidade a coalizão terá aos olhos da população como alternativa ao regime Assad.

SV/rtrd/afpd/dpa
Revisão: Mariana Santos

Leia mais