1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Bertelsmann compra ações da Pearson e controla grupo de tevê RTL

O grupo de mídia Pearson, com sede em Londres, vendeu à Bertelsmann seu pacote de ações na RTL, a maior empresa de televisão da Europa.

default

Central da Bertelsmann em Guetersloh.

A Bertelsmann alemã comprou da Pearson uma participação de 22% na empresa de mídia RTL Group, assumindo quase completamente (90%) a maior holding de rádio e televisão da Europa. No início do ano, a Bertelsmann já tirou de campo o outro grande acionista do RTL, o GBL belga , oferecendo-lhe suas próprias ações em troca das do grupo que mantém vários canais de televisão na Alemanha e em outros países europeus.

O presidente da Bertelsmann, Thomas Middelhoff, já anunciara o passo no início de novembro, ao dizer que a maior empresa de mídia da Europa estava diante de "grandes aquisições" e que, dentro em breve, ampliaria sua participação em emissoras de tevê. "A época está boa para isso. Mas não vamos comprar um estúdio em Hollywood, nem vamos nos meter em firmas de cabos", afirmou então.

Preço de ocasião - Para o grupo Pearson o momento pode ser propício para desfazer-se do seu engajamento no RTL. Com uma baixa receita de publicidade, 2001 foi um verdadeiro desastre financeiro para os canais do RTL, financiados através de comerciais. Em quatro ocasiões, o grupo teve que corrigir para baixo suas previsões de lucros. Até mesmo o canal de TV alemão RTL, com sede em Colônia, o de maior sucesso financeiro na Europa, fechará o ano com prejuízo, o que acontece pela primeira vez.

Tudo isso, porém, não fez Middelhoff perder o bom humor, pelo contrário: tornou mais barato o que é o seu mais importante investimento por agora. A Bertelsmann acabou pagando 1,5 bilhão de euros (3,09 bilhões de reais) à Pearson britânica. Com o domínio total do RTL, Thomas Middelhoff pode dedicar-se a seu objetivo de longo prazo, entrar no difícil mercado norte-americano. Ou optar por metas de curto prazo, como o mercado espanhol ou a compra da produtora de TV Endemol, pertencente à Telefônica espanhola. Um grande problema, porém, deve ser o preço, pois a Telefônica comprou a Endemol por 6 bilhões de euros, na época do boom da televisão, e essa soma está muito distante do seu valor atual, passada a euforia.