1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Berlinale 2005: aberta temporada de caça aos ursos

O 55º Festival Internacional de Cinema de Berlim – um dos três maiores, ao lado de Cannes e Veneza – abriu suas portas com a presença de estrelas nacionais e internacionais e promete muito "futebol, sexo e política".

default

O urso, símbolo de Berlim e do Festival, e o diretor da Berlinale, Dieter Kosslick, em segundo plano

O tapete vermelho foi estendido mais uma vez na praça Potsdamer Platz para receber os ilustres convidados do 55º Festival Internacional de Cinema de Berlim, carinhosamente apelidado de Berlinale.

Desta vez, o festival bateu recordes: nunca foram enviados tantos filmes à organização do evento, que escolheu os 350 melhores para compor seu programa – 21 dos quais concorrerão aos cobiçados ursos de ouro e prata, entre eles 16 estréias mundiais.

Estrelas de Hollywood e pesos-pesados do cinema europeu são aguardados na capital alemã, como Keanu Reeves, Kevin Spacey, Glenn Close, Will Smith, Anjelica Houston, Daniel Day-Lewis, Gérard Depardieu e Catherine Deneuve.

Berlinale Eröffnung Man to Man

O diretor do festival, Dieter Kosslick (esq.) e a equipe do filme de abertura 'Man to man': o diretor Régis Wargnier e os atores Cecile Bayiha, Joseph Fiennes, Kristin Scott Thomas, Lomama Boseki e Ian Glenn

Famosos como Jerry Lewis, Tilda Swinton e Wim Wenders ( Asas do desejo, Buena Vista Social Club) compareceram à gala de abertura do festival, mas quem roubou o brilho da noite foi o par Ralph Fiennes e Kristin Scott Thomas, protagonistas do filme de abertura Man to Man.

África é tema central

Se, por um lado, faltam contribuições americanas – arrasa-quarteirões ou não, eles representam apenas de dois a três por cento dos filmes do festival, segundo o diretor-geral Dieter Kosslick – sobejam produções asiáticas e européias. Além disso, a África é, segundo Kosslick, o foco regional da Berlinale este ano.

Berlinale Film Man To Man

Cena de 'Man to Man'

O filme de abertura, Man to Man, o primeiro rodado em inglês pelo diretor francês Régis Wargnier ( Indochina), conta a história de um grupo de antropólogos europeus em expedição na selva africana no final do século 19, em busca do elo perdido entre o macaco e o homem.

E a representação africana não pára por aí. O genocídio provocado pela guerra civil em Ruanda, há dez anos, é tema de duas produções do programa oficial: Hotel Rwanda, do britânico Terry George, que conta o drama num hotel que serviu de abrigo a fugitivos tutsis, e o americano Sometimes in April, que mostra o reencontro, dez anos depois, de dois irmãos que lutaram em frentes opostas.

Cinema é lugar de política...

Berlinale Film Hotel Rwanda

Cena de 'Hotel Rwanda'

O caráter político – para Kosslick, a Berlinale é um evento político – impregnou outros filmes da competição: Paradise Now, de Hany Abu-Asad, narra as últimas 48 horas de vida de dois terroristas palestinos antes de um atentado suicida, e o russo The Sun encerra uma trilogia de Aleksandr Sokurov sobre a psicologia do poder.

A Alemanha contribuiu com Sophie Scholl – Os últimos dias, baseado na vida da lutadora da resistência alemã, assassinada pelos nazistas em 1943.

...sexo, futebol!

Berlinale Film One Day In Europe

Cena do filme "One Day In Europe", Hannes Stöhr

Mas não é só política. Sexo e futebol também são temas presentes na programação. Em Kinsey, Liam Neeson faz o papel de cientista sexual Alfred C. Kinsey. O documentário Inside Deep Throat mostra os bastidores do mais famoso filme pornográfico de todos os tempos e a cineasta francesa Catherine Breillat fará um workshop sobre a direção de cenas de sexo.

Futebol é tema de um dos concorrentes alemães aos cobiçados ursos: nos episódios de One Day in Europe, de Hannes Stöhr, turistas são roubados em Moscou, Istambul, Santiago de Compostela e Berlim em dia de final da Liga dos Campeões.

Pequena participação brasileira

Ao todo, há filmes de 52 países. O Brasil não podia ficar de fora, mas a participação brasileira este ano é mais que modesta. Nenhum filme brasileiro foi nomeado para a mostra oficial.

Mesmo assim, os brasileiros emplacaram três contribuições: Redentor, estréia na direção de Cláudio Torres, foi o filme de abertura da mostra Panorama. Outros foram Brasileirinho, novo filme do finlandês radicado no Brasil, Mika Kaurismäki ( Moro no Brasil) sobre o chorinho, e a versão restaurada do clássico Terra em transe, de Glauber Rocha.

O diretor Walter Salles, que já levou o Urso de Ouro por Central do Brasil, será um dos anfitriões do Talent Campus, uma oficina que promove a integração de consagrados e iniciantes.

Leia mais