1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Berlim recusou libertação de Kurnaz, diz Parlamento Europeu

Em seu relatório final sobre atividades da CIA na Europa, a Comissão Extraordinária do Parlamento Europeu vê como comprovada a omissão do governo alemão no caso de Murat Kurnaz.

default

Cidadão turco nascido na Alemanha e prisioneiro dos EUA em Guantánamo: Murat Kurnaz

A Comissão Extraordinária do Parlamento Europeu que investigou as atividades do serviço secreto norte-americano CIA na Europa considera comprovado que o ex-governo alemão, formado por social-democratas e verdes, recusou a libertação do turco nascido na Alemanha Murat Kurnaz, então prisioneiro em Guantánamo.

"De acordo com informações institucionais confidenciais, o governo alemão não aceitou uma oferta que os Estados Unidos fizeram em 2002 de libertar Murat Kurnaz de Guantánamo", consta do relatório final, aprovado nesta terça-feira (23/01) em Bruxelas.

A comissão constata ainda que "os serviços secretos dos EUA e da Alemanha já tinham chegado à conclusão em 2002 de que Kurnaz não tinha ligações com a Al Qaeda ou o Talibã e não constituía uma ameaça terrorista". Além disso, agentes alemães que interrogaram Kurnaz em Guantánamo em 2002 e 2004 negaram ao prisioneiro toda e qualquer assistência.

O relatório foi aprovado por 28 dos 48 deputados que integraram a comissão e será apresentado ao Parlamento Europeu para votação no mês de fevereiro.

Ministro Steinmeier na berlinda

Deutschland Außenminister Frank-Walter Steinmeier stellt das deutsche Programm zur EU-Ratspäsidentschaft vor.

Deputados alemães querem saber o papel de Steinmeier no caso

O líder dos social-democratas na comissão, Wolfgang Kreissl-Dörfler, exigiu que o ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier – que na época era chefe da Casa Civil em Berlim – se pronuncie o mais rápido possível sobre a questão.

Em sua opinião, Steinmeier não deveria esperar até abril, quando deporá perante a CPI do serviço secreto no Bundestag, a câmara baixa do Parlamento alemão. "A verdade sempre pode ser dita", afirmou Kreissl-Dörfler.

Numa primeira reação, Steinmeier, que se encontra em Bruxelas para uma reunião, declarou desconhecer a existência de uma proposta oficial dos EUA para a libertação de Kurnaz.

Atividades da CIA na Europa

Os deputados europeus reuniram durante um ano informações sobre as atividades ilegais do serviço secreto norte-americano CIA na Europa. Eles chegaram à conclusão de que, entre fins de 2001 e fins de 2005, a CIA realizou pelo menos 1245 vôos no espaço aéreo europeu, dos quais 336 fizeram escala em aeroportos alemães.

O documento de 30 páginas ocupa-se em detalhes com casos registrados na Itália, Reino Unido, Alemanha, Suécia, Áustria, Espanha, Portugal, Irlanda, Grécia, Chipre, Romênia e Polônia, bem como com os seguintes países não pertencentes à União Européia: Turquia, Macedônia, Bósnia-Herzegóvina e a província do Kosovo.

O capítulo relativo à Alemanha é um dos mais amplos. Inclusive um dos aviões que pousou num aeroporto alemão seguiu viagem em direção à base militar dos EUA em Guantánamo. (lk)

Leia mais