1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Berlim realiza parada por legalização da maconha

Consumo aberto na Hanfparade, apesar de presença policial. Para organizadores, a planta deve ser liberada como matéria prima, medicamento e droga recreativa. Partido Verde apoia, conservadores barram legalização.

Milhares se reuniram neste sábado (08/08) em Berlim numa passeata pela legalização da cânabis na Alemanha, em todas as suas formas. A concentração começou no fim da tarde, diante da estação ferroviária central, reunindo cerca de 5 mil pessoas. Como indicava o odor inconfundível no ar, a presença policial não impediu que alguns consumissem pública e demonstrativamente a polêmica planta.

Com número crescente de participantes, portando cartazes, fantasias e adereços criativos, como folhas e "baseados" gigantescos, a manifestação vai pela noite adentro, encerrando-se com um programa cultural diante da Porta de Brandemburgo. Barracas na área apresentam numerosos produtos fabricados com a Cannabis sativa, inclusive pratos culinários e bebidas.

A Hanfparade (Parada da Maconha) vem se realizando no mês de agosto desde 1997. Seus organizadores defendem que a cânabis seja liberada na Alemanha como matéria prima, medicamento e droga recreativa. Como anunciaram na convocação à passeata, eles consideram a persecução penal como o pior efeito colateral do consumo de seus derivados como o haxixe e a marijuana.

Verdes a favor, conservadores nem pensar

Hanftparade in Berlin

Passeata em Berlim: entre reivindicação política, esclarecimento e carnaval

Em sua 19ª edição, a Hanfparade conta com apoio político do Partido Verde, em nível federal e estadual. O chefe da bancada verde em Berlim, Daniel Wesener,manifestou num tweet: "Mais do que hora de legalizar!" Para a deputada federal Lisa Paus, a política de proibição da cânabis como "totalmente fracassada".

A também verde subprefeita do bairro berlinense de Friedrichshain-Kreuzberg, Monika Herrmann, discursará no fim da manifestação. Em junho requereu a adoção de um modelo experimental, segundo o qual a cânabis seria vendida em seu bairro a consumidores registrados, sobre controle estatal.

Por sua vez, a União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, é irredutivelmente contra. O vice-presidente da legenda, Thomas Strobl, declarou ao jornal berlinense Tagesspiegel que a legalização seria "um sinal fundamentalmente errado no combate às drogas, dificultando consideravelmente o trabalho dos encarregados".

Para Strobl, a marijuana é e permanece uma "droga de entrada". "Não podemos transmitir a impressão de que seja algo permitido, que se pode simplesmente experimentar." "Mantemos o nosso 'não'", enfatizou.

AV/epd/dpa

Leia mais