1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Berlim quer interferir em caso de rapaz preso há sete meses na Turquia

Marco W. (17) é acusado de abuso sexual contra a inglesa Charlotte M. (13). O suposto caso ocorreu na Turquia, onde está em prisão preventiva desde abril. Tribunal de Direitos Humanos em Estrasburgo poderá ser acionado.

default

Marco W. numa entrevista, diante da bandeira turca

O alemão Marco W. (17) está preso há sete meses na Turquia, acusado de abusar sexualmente de uma menina inglesa de 13 anos. O caso se tornou um extenuante cabo-de-guerra entre os governos dos dois países. Agora Berlim considera participar da queixa que o advogado do menor eventualmente apresentará diante da Corte Européia de Direitos Humanos em Estrasburgo.

Tanto o presidente do Parlamento Europeu, Hans-Gert Pöttering, quanto a Comissão Européia já estão envolvidos no caso. Segundo Michael Nagel, que representa Marco, já na próxima semana se decidirá quanto ao recurso a Estrasburgo.

Contudo, como sublinharam os ministérios alemães do Exterior e da Justiça, primeiro os advogados do rapaz deverão apresentar queixa. Só depois disso o governo alemão poderá comprovar se, do ponto de vista formal, é possível apoiá-los.

"Faremos tudo – se é possível fazer algo"

Deutschland Türkei Schüler Prozess Demonstration für Marco in Ülzen

Amigos do acusado protestam em Uelzen

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, declarou na televisão: "De início faremos aquilo – se é que podemos fazer algo – que possa ajudar o rapaz". Porém a questão não deve ser acoplada a uma grande discussão política.

Segundo Nagel, ele e os demais advogados de Marco W. já trabalham na formulação da queixa. Seus colegas turcos que se ocupam do caso pretendiam apresentar, o mais tardar nesta sexta-feira (23/11), novo recurso contra a prisão preventiva que dura desde abril último.

Caso as autoridades da Turquia rejeitem o recurso mais uma vez, a Corte de Direitos Humanos será acionada. Eles vêem na duração extrema da privação de liberdade uma violação dos direitos de Marco.

Escândalo e diplomacia silenciosa

Ao interferir no caso, Pöttering atendeu a um apelo dos líderes de bancadas do Parlamento Europeu. Estes pediram ao político da União Democrata Cristã que conferisse se e como a Comissão Européia deveria intervir perante Ancara. Com este fim, Pöttering conversou na quinta-feira com o comissário da UE para a Ampliação, Olli Rehn.

O deputado europeu e especialista em política externa Elmar Brok exortou a tratar o caso Marco W.com "diplomacia silenciosa". "É errado exercer pressão política por meios altamente oficiais", declarou ao Hamburger Adendblatt. Ambos os lados devem poder sair com dignidade do impasse, insistiu o democrata-cristão.

Já o chefe da bancada social-democrata no Parlamento Europeu, Martin Schulz, foi menos contido. "As condições da prisão preventiva, que não satisfazem qualquer padrão europeu, são um escárnio" e a duração do processo "um escândalo".

Pretexto para excluir a Turquia

Türkei Deutschland Gefängnis in Antalya in dem der 17-jährige Marco inhaftiert ist

A prisão na Turquia onde o rapaz de 17 anos se encontra

O deputado verde do Parlamento Europeu Cem Özdemir usou o mesmo termo para classificar os sete meses de prisão preventiva. O princípio da proporcionalidade não está sendo respeitado, declarou ao jornal Berliner Zeitung nesta sexta-feira.

As dificuldades surgidas durante o processo seriam "coisas pelas quais certamente não se pode responsabilizar Marco, nem podem se tornar uma desvantagem para ele". Por outro lado, o parlamentar alemão de origem turca condenou seus colegas da ala conservadora alemã por explorarem o fato: "Eles usam simplesmente tudo que sirva à finalidade de manter a Turquia fora da União Européia".

Marco W. é acusado de praticar abuso sexual contra a inglesa Charlotte M. em abril último. O colegial de Uelzen, na Baixa Saxônia, nega, alegando que os dois apenas trocaram carícias e que o desejo era mútuo. (av)

Leia mais