1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Berlim mantém suspense sobre troca de governo

Reunião de líderes dos partidos que pretendem formar a grande coalizão adia decisão sobre novo chefe de governo da Alemanha. Schröder ou Stoiber na função de vice-chanceler?

default

Schröder e Merkel, 'artistas' do circo do poder na capital alemã

As negociações entre a CDU/CSU e SPD para a formação de um novo governo em Berlim estão virando uma novela de qualidade questionável em termos de suspense. O final do capítulo desta quinta-feira (06/10) já era conhecido do público antes mesmo de ir ao ar.

Pouco antes de se reunir com os líderes do SPD, Franz Müntefering e o atual chanceler federal Gerhard Schröder, e o presidente da CSU, Edmund Stoiber, na capital alemã, a presidente da CDU, Angela Merkel, antecipou que "não espera uma decisão sobre quem assumirá a chefia do governo alemão antes do próximo domingo". Uma afirmação semelhante foi feita por Müntefering: "Até segunda-feira, será definitivamente respondido quem será chanceler federal."

Durante todo o dia, foram veiculados os mais diversos boatos em Berlim. "Schröder seria um bom vice-chanceler", declarou o deputado Stephan Hilsperg, do SPD do Leste alemão, de manhã, ao jornal Freie Presse .

No final da tarde, o próprio Schröder ironizou: "Tem gente querendo que eu seja vice-chanceler ou, talvez, até vice-ministro. Mas é inaceitável que eu vire objeto de negociação nas conversações com a CDU/CSU."

Enquanto os social-democratas parecem começar a admitir o posto da Vice-Chancelaria, a CDU (bancada mais forte do Parlamento) insiste que quer indicar o presidente do Bundestag. Mas como Merkel vê na aliança com o SPD a "coalizão das novas possibilidades", também este posto parece negociável na dança de cadeiras em Berlim.

A vez de Stoiber

Stoiber und Merkel - Panorama

Stoiber (e) aproveita o vácuo de poder provocado pela disputa entre Merkel e Schröder

Enquanto Merkel e Schröder ainda disputam a cadeira de chanceler, o governador da Baviera e presidente da CSU, Edmund Stoiber, já fala como "comandante de um governo da grande coalizão" ( Der Spiegel ). Ele aproveita o vácuo de poder para tentar ditar a linha a ser seguida pelo futuro governo.

"As tarefas prioritárias de uma coalizão CDU/CSU e SPD são a reforma do federalismo e o saneamento das finanças públicas. Uma reforma do Estado, que permita decisões mais rápidas na Alemanha, é a mãe de todas as reformas", disse.

Fontes ligadas à CSU sinalizam que Stoiber espera ocupar a pasta das Relações Exteriores (que é acumulada pelo vice-chanceler federal) ou a de ministro da Economia ou uma combinação dos dois ministérios.

Berlim paralisada

Ainda que a mídia tenha passado a impressão de uma certa correria na capital alemã, nas horas que antecederam a reunião de sondagem desta quinta-feira, três semanas após a eleição de 18 de setembro, a Alemanha continua paralisada politicamente. Só uma coisa é certa, segundo Merkel: "Haverá uma coalizão entre CDU/CSU e SPD".

O resto é especulação. Inclusive a afirmação do governador da Renânia-Palatinado, Kurt Beck (SPD), para quem "as negociações sobre a grande coalizão podem se arrastar até meados de novembro. A pressa é inimiga da perfeição". Aos eleitores alemães, que já demonstraram sua frustração com os grandes partidos nas urnas, resta esperar. Veja (ou melhor, leia) no próximo capítulo ...

Leia mais