1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Berlim condena ameaça de guerra contra Iraque

Ministério do Exterior alemão diz que não há prova de envolvimento do Iraque com o terrorismo internacional e o chefe de governo, Gerhard Schröder, não acredita numa ofensiva militar dos EUA sem consultar os aliados.

default

Ludger Volmer: não há provas contra o Iraque

O Ministério do Exterior da Alemanha criticou a conduta dos Estados Unidos em relação ao Iraque e rechaçou as ameaças de guerra contra o país de Saddam Hussein. "Não existe prova de envolvimento do Iraque com o terrorismo de que falamos nos últimos meses", disse o secretário de Estado do Ministério em Berlim, Ludger Volmer. O político do Partido Verde também advertiu que "o argumento do terrorismo não pode ser usado para quitar dívidas antigas".

O chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, não parece preocupado com uma ação unilateral dos Estados Unidos na guerra contra o terrorismo. Em entrevista à revista Newsweek International", o chefe de governo disse que esperar que os aliados sejam consultados pelo governo do presidente George W. Bush.

O secretário de Estado americano, Colin Powell, tentou, no domingo, dissipar os temores de uma ação isolada dos EUA contra o Iraque. Mas o assessor de segurança da Casa Branca, Richard Perle, praticamente confirmou que o presidente Bush está decidido a fazer uma guerra contra o Iraque e, em caso de vacilação, até contra a vontade dos aliados europeus. Enquanto isso, o secretário da Defesa americano, Donald Rumsfeld, acusou o Irã de ajudar foragidos da Al Qaeda de Osama bin Laden e do antigo regime talibã do Afeganistão.

Novo perigo – Numa tentativa de evitar a ampliação da guerra contra o terrorismo para o Iraque, o primeiro-ministro da Turquia, Bülent Ecevit, exigiu que o presidente iraquiano, Saddam Hussein, permita o retorno imediato dos inspetores de armas da ONU ao país. "O Iraque encontra-se diante de um novo perigo muito grande", escreveu o chefe de governo turco numa carta ao ditador iraquiano.

Ofensiva diplomática – Consciente do perigo de ser bombardeado maciçamente pelos EUA, o Iraque resolveu fazer uma ofensiva diplomática na União Européia (UE). Uma delegação de Saddam Hussein irá à Espanha, país que ocupa a presidência rotativa da UE neste semestre, com a meta de melhorar as relações de Bagdá com os países mais importantes da comunidade de 15. O momento exato da missão não foi anunciado, mas será logo. Além disso, o Iraque anunciou a reabertura de sua embaixada na Suíça.

Saddam Hussein decidiu enviar a delegação à UE depois que o presidente Bush qualificou o seu país como parte do "eixo do mal", juntamente com o Irã e a Coréia do Norte. E não há dúvida de que o Iraque entrou na mira do Pentágono na guerra contra o terrorismo, como deixou claro o vice-secretário da Defesa americano, Paul Wolfowitz, na conferência de segurança, no último fim de semana, em Munique.

  • Data 04.02.2002
  • Autoria Estelina Farias
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1p7B
  • Data 04.02.2002
  • Autoria Estelina Farias
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/1p7B