Berlim afirma que Erdogan apoia militantes islâmicos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Berlim afirma que Erdogan apoia militantes islâmicos

Em documento confidencial, governo alemão avalia que Turquia é "plataforma central de ação" para organizações islamistas e terroristas no Oriente Médio, incluindo o Hamas.

Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan

Apesar de tensões, presidente turco Erdogan tem sido poupado de críticas oficiais da Alemanha

O governo alemão considera a Turquia e seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, "plataforma central de ação" para organizações islamistas e terroristas no Oriente Médio, segundo uma reportagem da emissora pública alemã ARD, transmitida nesta terça-feira (16/08).

A emissora se baseou na resposta do governo alemão a um questionamento da bancada de esquerda do Parlamento federal. "Como resultado da política interna e externa de Ancara, gradativamente islamizada, sobretudo desde 2011, a Turquia se transformou em plataforma central de ação para grupos radicais islâmicos da região do Oriente Médio", afirma a resposta, classificada como confidencial e que se baseia em informações do serviço secreto.

O documento menciona "inúmeras manifestações de solidariedade e ações de apoio" turcas a grupos da oposição armada que combatem o governo do presidente Bashar al-Assad na Síria, à Irmandade Muçulmana no Egito (com a qual Erdogan teria afinidade ideológica) e à organização palestina Hamas.

Com isso, o governo alemão estabelece uma relação direta entre o Erdogan e uma organização terrorista, já que o Hamas é classificado como tal pela União Europeia (UE) desde 2003. A Turquia não vê o Hamas como um grupo terrorista, assim como Brasil, Noruega e Suíça.

Essa declaração é ainda mais polêmica porque a oposição acusa o governo de evitar críticas abertas à Turquia e a Erdogan, que Berlim não quer perder como importante parceiro para a resolução da crise dos refugiados.

O jornal Die Welt acrescentou que a documento do governo alemão contém informações explosivas sobre as conexões de controversas organizações muçulmanas de origem turca sediadas na Alemanha. O periódico menciona a Comunidade Islâmica Milli Görüs e a União dos Democratas Euro-Turcos (UETD), ligada a Erdogan, mas não fornece mais detalhes.

O questionamento a Berlim foi uma iniciativa da deputada de origem turca Sevim Dagdelen, do partido A Esquerda. Para a bancada esquerdista, a resposta do governo foi uma confirmação de suas críticas à Turquia. "É incompreensível o governo federal continuar tratando Erdogan com luvas de pelica enquanto a Turquia é uma plataforma de ação do extremismo islâmico e de grupos terroristas muçulmanos", declarou Dagdelen à ARD.

AV/afp/rtr/kna/dpa

Leia mais