1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bento 16 pisa em "campo minado" na Turquia

Agenda do papa inclui assuntos polêmicos. Esquema de segurança é reforçado, prevendo protestos. Líder da Igreja Católica diz que quer fomentar o diálogo entre cristãos e muçulmanos.

default

Papa foi recebido pelo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan

Protegido por um forte esquema de segurança, o papa Bento 16 iniciou ao meio-dia desta terça-feira (28/11) sua primeira viagem a um país com população majoritariamente muçulmana – a Turquia.

A visita de quatro dias foi antecedida por protestos, o que levou o governo turco a mobilizar mais de 15 mil policiais para proteger o líder da Igreja Católica. Em Istambul e Ancara, o papa vai renunciar ao papamóvel e andar em veículo fechado e blindado. As autoridades de segurança prevêem uma onda de protestos, principalmente de radicais islâmicos e nacionalistas turcos.

Segundo informações do Vaticano, o papa pretende fomentar o diálogo entre cristãos e muçulmanos. "A Turquia é uma ponte entre as culturas", disse Bento 16, antes de embarcar em Roma nesta terça-feira. Ele adiantou que pretende abordar também a questão da liberdade religiosa e a situação da minoria cristã no país. As Igrejas cristãs não são reconhecidas oficialmente e não podem formar padres na Turquia.

Ecos de uma citação polêmica

Depois de um encontro de 20 minutos com o primeiro-ministro Recep Tyyip Erdogan, no aeroporto de Ancara, Bento 16 se reuniria com o chefe da autoridade religiosa do país, Ali Bardakoglu. Neste encontro, seria abordada a polêmica citação medieval que fez durante sua viagem à Alemanha, segundo a qual o islã só teria trazido "coisas más e desumanas".

Anti-Papst Demonstration in der Türkei

Protestos de domingo passado contra a visita do papa em Istambul

Na ocasião, Bardakoglu criticou duramente o papa, que lamentou o escorregão verbal, mas não se desculpou. Houve protestos de rua em vários países islâmicos. Na Turquia, eles voltaram a se repetir no último domingo, quando cerca de 20 mil pessoas foram às ruas em Istambul numa manifestação contra a visita de Bento 16.

O encontro com Bardakoglu é considerado o ponto alto do primeiro dia da viagem, em que o papa ainda visita o mausoléu de Mustafá Kemal Atatürk, fundador da Turquia, e se reúne com o chefe de Estado, Ahmet Necdet Sezer.

Erdogan recua

Istanbul Blaue Moschee P178

Bento 16 vai visitar a 'mesquita azul' em Istambul: 'gesto de reconciliação'

Inicialmente, Erdogan havia dito que não poderia saudar o papa no aeroporto, devido à sua participação na cúpula da Otan, que começa nesta terça-feira em Riga, na Lituânia. Nesta segunda-feira, ele recuou e mudou a agenda para receber Bento 16. "Visitas como esta são passos importantes para uma aliança das culturas", disse.

Na próxima quinta-feira, o papa visitará a chamada "mesquita azul" em Istambul, a maior da cidade, o que está sendo interpretado como um gesto de reconciliação, uma vez que não estava prevista na agenda oficial do Vaticano.

O papa também irá à mesquita Sofia, que, até a Idade Média, foi templo católico e símbolo do cristianismo no Sudeste Europeu, antes da queda de Constantinopla e da expansão do islamismo em direção à Europa.

Bento 16 é o segundo papa a visitar um país muçulmano. O primeiro foi seu antecessor, João Paulo 2º, que visitou a Síria em 2001.

Depois do escândalo da palestra de Regensburg, Bento 16 deve cuidar muito do teor de seus discursos na Turquia. O cardeal alemão Walter Kasper disse que o papa se move num "campo diplomático minado".

Leia mais

  • Data 28.11.2006
  • Autoria (gh)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/9Rb8
  • Data 28.11.2006
  • Autoria (gh)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/9Rb8