Bento 16 cobra de líderes religiosos novos caminhos para evangelização | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bento 16 cobra de líderes religiosos novos caminhos para evangelização

No terceiro dia de visita à Alemanha, papa conclama fiéis para luta contra práticas antirreligiosas. Pela manhã, um homem foi preso em Erfurt por disparar contra seguranças próximo do local onde pontífice celebrou missa.

Bento 16 falou sobre crise da Igreja nos países ocidentais

Bento 16 falou sobre crise da Igreja nos países ocidentais

Cerca de 24 mil pessoas foram às ruas de Freiburg, no sul da Alemanha, receber o papa Bento 16 em seu terceiro dia de viagem oficial a seu país de origem. Durante encontro com dirigentes do Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK, sigla em alemão) o Papa falou sobre a redução da força do catolicismo nos países ocidentais e pediu para que todos busquem novos caminhos para a evangelização, pois muitas pessoas não estariam mais encontrando contato com a Igreja.

Ao encontrar-se com representantes da Igreja Ortodoxa, a qual ele afirmou ser "muito próxima" da Católica, o Papa conclamou os fiéis cristãos a atuarem em conjunto contra as "tendências antirreligiosas" da sociedade.

Papa foi recebido por cerca de 24 mil pessoas em Freiburg

Papa foi recebido por cerca de 24 mil pessoas em Freiburg

"A verdadeira crise da Igreja nos países ocidentais é uma crise da fé. Quando a gente não encontra uma verdadeira renovação da fé, qualquer reforma estrutural será ineficaz", afirmou o Papa.

Ele também instou os fieis a se posicionarem veementemente contrários a qualquer "intervenção manipuladora ou seletiva na vida humana". E se queixou do excesso de "relativismo" da sociedade atual em relação a várias áreas, inclusive ao casamento.

À tarde, Bento 16 encontrou-se com o ex-chanceler federal alemão Helmut Kohl, chefe do governo à época da reunificação do país, após a queda do Muro de Berlim, em 1989. O encontro teria sido marcado a pedido do Papa como forma de homenagear Kohl.

Missa e tiros

Pela manhã, Bento 16 celebrou uma missa em Erfurt, cidade que fazia parte da antiga Alemanha Oriental, para aproximadamente 28 mil pessoas. Lá, ele ressaltou a estabilidade da Igreja Católica no Leste do país e pediu aos fiéis que continuem firmes na fé.

Encontro com Helmut Kohl foi marcado a pedido do papa

Encontro com Helmut Kohl foi marcado a pedido do papa

"Vocês tiveram que suportar primeiramente o nazismo e depois uma ditadura comunista, que agiu contra a fé cristã como uma chuva ácida", disse o Papa.

Pela manhã, a polícia prendeu um homem que teria atirado quatro vezes com uma arma de ar comprimido contra seguranças particulares, segundo informações dos policiais. Ele estaria a cerca de um quilômetro de distância da praça onde o Papa iria celebrar uma missa. Policiais afirmaram que ninguém ficou ferido e ressaltaram que o Papa não correu perigo.

Na noite da sexta-feira, o Papa recebeu duas mulheres e três homens vítimas de abusos cometidos por padres ou por pessoas ligadas à Igreja Católica. O encontro aconteceu no seminário de Erfurt e não estava na agenda oficial do pontífice. Segundo o bispo Stefan Ackermann, o clima do encontro foi bom e Bento 16 expressou constrangimento e mostrou-se comovido. Nos últimos anos, vários casos de abusos cometidos por padres vieram à tona na Alemanha.

Freiburg é a última parada do papa em sua visita de quatro dias à sua terra natal que começou na quinta-feira passada, em Berlim. Neste domingo ele retorna a Roma.

MS/dpa/dapd/epd
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais