1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bento 16 almeja "pontes da amizade" com o Islã

Após a polêmica ocasionada no mundo muçulmano por suas declarações em Regensburg, há duas semanas, o papa Bento 16 recebe em sua residência de verão representantes e embaixadores muçulmanos no Vaticano.

default

Para Bento 16, o futuro da humanidade depende das boas relações entre cristãos e muçulmanos

No encontro entre Bento 16 e 22 embaixadores de países muçulmanos, representantes da Liga Árabe e associações islâmicas italianas que aceitaram o convite do papa para um diálogo para a paz em sua residência de verão em Castel Gandolfo, nesta segunda-feira (25/09), podia-se notar que este não era um encontro comum.

Lendo em francês, a língua diplomática do Vaticano, Bento 16 só conseguiu relaxar ao final dos oito e meio minutos de seu discurso, quando foi aplaudido pelos representantes dos países islâmicos no Vaticano.

Em Regensburg, há cerca de duas semanas, Bento 16 havia citado a declaração de um imperador bizantino, pela qual "no profeta Maomé só se encontraria maldade e inumanidade". Após a indignação e protesto gerados no mundo muçulmano por sua citação, o papa se esforça em apaziguar os ânimos desde então.

Pontes da amizade

Nicht so gemeint

Em Castel Gandolfo, o papa já havia comentado as reações ao seu discurso de Regensburg

Bento 16 defendeu uma estreita cooperação com o islã, acreditando em "pontes da amizade" entre cristãos e muçulmanos.

"Como afirmei em Colônia, no ano passado, o diálogo intercultural e inter-religioso entre cristãos e muçulmanos não pode se restringir a uma decisão momentânea. Trata-se, sobretudo, de uma necessidade vital, da qual o nosso futuro depende em grande parte", afirmou o pontífice.

Ao mesmo tempo, Bento 16 advertiu que, para um diálogo entre as religiões e culturas, ambos os lados têm que participar. Segundo o papa, respeito mútuo é necessário, principalmente quando se trata de temas religiosos. O motivo da controvérsia entre o Vaticano e os países muçulmanos foi mencionado por Bento 16 somente de forma marginal.

"Todos sabem das circunstâncias que levaram a este encontro. Tive oportunidade de comentá-las na semana passada. Nesta ocasião especial, gostaria de sublinhar a grande estima e o profundo respeito que tenho perante os fiéis muçulmanos", afirmou Bento 16.

O que se esperava

Dialog ist ein Anfang

Boa repercussão do encontro é sucesso para Bento 16

Como único embaixador árabe a prestar declaração após a conferência, Edward Yelda, representante iraquiano no Vaticano, afirmou que as palavras do papa "foram aquilo que esperávamos" e que "é hora de deixar para trás o que passou".

Bento 16 despediu-se dos embaixadores com um aperto de mãos e, segundo o embaixador iraquiano, falou para cada um em inglês: "Deus o abençoe".

O encontro foi criticado, entretanto, pela organização egípcia Irmandade Muçulmana como "mais uma tentativa de se evitar um pedido de desculpas", declarou Mohamed Habib, importante membro da organização, à agência de notícias France Press.

Bebidas não foram servidas

Os representantes de importantes nações de maioria muçulmana, como o Egito, Irã, Paquistão e Líbia aceitaram o convite do Vaticano. Participaram ainda os representantes da Turquia, país que será visitado pelo papa no final de novembro, e do Marrocos, cujo representante na Santa Sé havia sido chamado a seu país para prestar esclarecimentos sobre as citações de Bento 16 em Regensburg.

Como forma de repeito à fé muçulmana, nem mesmo bebidas foram oferecidas na residência de verão papal. O mundo muçulmano se encontra no período do Ramadã, no qual não se deve beber nem comer durante o dia.

Leia mais