1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Beethovenfest

Beethovenfest Bonn 2013 abre sob signo da transformação

Slogan deste ano acentua papel central das variações na música e na vida, com 67 eventos em 29 localidades, além de programas paralelos. Mudanças também na diretoria: após dez anos Ilona Schmiel cede lugar a Nike Wagner.

"Só quem muda permanece fiel a si mesmo", diz o título de uma música do cantor e autor alemão Wolf Biermann. E, na ópera wagneriana O ouro do Reno, o deus Wotan diz: "Quem vive, ama mudança e transformação".

Palavras que convidam a refletir. Ao mesmo tempo, o slogan do Beethovenfest deste ano, Verwandlungen (Transformações), faz parte do próprio espírito da música: variações e adaptações eram e são prática usual dela. Além disso, tradição e inovação sempre tiveram um papel marcante na história da música.

Um artista que tinha plena consciência disso era Ludwig van Beethoven, nascido em 1770 em Bonn, no oeste da Alemanha – onde o festival que leva seu nome é realizado desde 1845, inicialmente em intervalos irregulares. A edição de 2013 acontece de 5 de setembro a 5 de outubro em 29 locais de Bonn e arredores, incluindo 67 eventos, além de um amplo programa paralelo.

Nem tudo é Beethoven

Desde o relançamento do Beethovenfest, em 1999, o compositor tem sido homenageado em sua cidade natal de diversas maneiras. Inicialmente, procurou-se situar sua biografia ou a tradição interpretativa de sua música num contexto internacional, colocando em foco países como Rússia, França ou Inglaterra.

Nos últimos anos, os slogans se tornaram mais abstratos: "Música do futuro", "Na luz", Utopia", "Vontade própria", ou, neste ano, "Transformações". A estratégia parece ter tido sucesso junto ao público: em 2012 foram vendidos 90% dos 54 mil ingressos disponíveis.

Beethovenfest Wagner

Edson Cordeiro (c) canta temas wagnerianos em ritmo brasileiros

Richard Wagner – cujo bicentenário de nascimento transcorre em 2013 – também consta do programa atual. Com razão, afinal de contas, Beethoven foi seu principal modelo musical.

De um lado, haverá "Wagner puro" – por exemplo, com excertos de suas óperas executados pela Beethoven Orchester Bonn. De outro, o festival traz "Wagner em transformação", com arranjos de seus motivos musicais em estilo jazzístico, por Angelika Niescier e a German Women's Jazz Orchestra; ou em ritmo de swing, samba e hip-hop, por Otto Sauter & Ten of the Best & Friends – entre os quais se encontra o contratenor brasileiro Edson Cordeiro.

Ciclos e surpresas

Ou seja: o Beethovenfest 2013 oferece campo fértil para artistas que transitam entre os diferentes gêneros e estilos musicais. Este também é o caso da violinista Patricia Kopatchinskaja, natural da Moldávia, que dará três concertos na qualidade de artist in residence. Os eventos incluem desde música folclórica de seu país até o clássico Concerto para violino e orquestra de Beethoven.

Borodin Quartett

Borodin Quartet contrapõe clássico-romântico alemão e modernos russos

A dupla de músicos-comediantes Igudesman & Joo retorna a Bonn com um programa humorístico e paródias de grandes sucessos da música clássica. Numa Piano Battle, eles convidam, ainda, dois pianistas a travar um combate musical, cujo vencedor o público decide.

Entre as surpresas desta edição está a total ausência de obras beethovenianas no concerto de abertura e no de encerramento. Em compensação, o programa inclui ofertas só mesmo possíveis num festival como este. Por exemplo, a continuação do ciclo de todas as 32 sonatas para piano de Beethoven, iniciado no ano anterior, com o húngaro András Schiff, o qual conta entre os mais aclamados músicos eruditos da atualidade.

Um segundo ambicioso ciclo também entra em seu segundo ano. Nele, o Borodin Quartet contrapõe os quartetos de cordas do compositor alemão com obras de compositores russos modernos, como Dimitri Shostakovitch ou Alfred Schnittke.

Elite orquestral

Na série "Encontros com Beethoven", o Beethovenfest e a Deutsche Welle dão continuidade ao projeto Orchestercampus, que dá espaço a orquestras juvenis de todo o mundo. Este ano a convidada é a Istanbul University State Conservatory Symphony Orchestra, estreando uma obra da jovem compositora turca Zeynep Gedizlioglu.

Turkish National Youth Orchestra beim Beethovenfest

Turkish National Youth Orchestra participou do Orchestercampus em 2012

Desde 2004 orchestra in residence do evento, a Deutsche Kammerphilharmonie Bremen e seu maestro titular Paavo Järvi não cessam de fascinar público e crítica com o frescor de suas interpretações do repertório beethoveniano. Em 2013, eles apresentam Fidelio, única ópera do compositor entre o classicismo e o romantismo.

Conjuntos de gabarito internacional, como a Pittsburgh Symphony Orchestra, a NDR Sinfonieorchester, os Bamberger Symphoniker, a Academy of St. Martin-in-the-Fields, a Sinfonia Varsovia, a Ural Symphony Orchestra e a London Symphony Orchestra, completam o elenco orquestral do evento às margens do rio Reno.

Kent Nagano, Thomas Hengelbrock e Daniel Harding constam entre os maestros; enquanto os solistas convidados incluem o violinista Christian Tetzlaff, os pianistas Hélène Grimaud e Rudolf Buchbinder ou o percussionista Martin Grubinger.

Mudança de diretoria

Flash-Galerie Patricia Kopatchinskaja

Patricia Kopatchinskaja é "artist in residence" no Beethovenfest 2013

Após dez anos à frente do Beethovenfest, Ilona Schmiel assume no próximo ano a direção geral da Tonhalle, prestigiada sala de concertos e orquestra de Zurique. Em seu lugar, Nike Wagner, uma das bisnetas de Richard Wagner, se encarregará do festival em Bonn.

A médio prazo, o Beethovenfest tem seu financiamento assegurado: a municipalidade de Bonn mantém até 2017 uma subvenção de 1,6 milhão de euros por ano. Essa cobre quase um terço do orçamento anual total de 5,1 milhões de euros, e os demais dois terços provêm de patrocinadores e da venda de ingressos.