1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Beethovenfest

Beethoven entre mito e homem: o grande mal-entendido

Ele era surdo, sempre mal-humorado, sem jeito com as mulheres. Uma imagem que se encaixa quase bem demais no ideal do artista romântico: solitário, sofredor, porém genial. Até que ponto é este o Beethoven verdadeiro?

default

A cada qual, o seu Beethoven

Primeiro, ele jogou vários livros na cabeça de um criado; em seguida, uma poltrona. De arrependimento, nem sombra. "Só assim tive sossego o dia inteiro." E quando um príncipe opinou que em vez de três fagotes bastavam dois, ele respondeu: "Se Sua Alteza assim quer instrumentar, estou cagando". Empregados, a nobreza, seus editores: todos ouviam dele poucas e boas. Um dos biógrafos de Beethoven o intitulou "o gênio grosseiro".

"Van Beethoven, proprietário de cérebro"

Portrait von Ludwig Van Beethoven

Beethoven em 1804, retratado de Joseph Maehler

A maioria das informações de que dispomos sobre Ludwig van Beethoven nos chegou através de sua correspondência e de seu diário. Ao contrário do contemporâneo Johann Wolfgang von Goethe, com quem não se dava bem, Beethoven desdenhava toda forma de auto-incensamento.

Em suas cartas, fala da maldade das pessoas e das barreiras de classe que lhe impedem o contato com as damas de seu coração. Ele não se encenava como alma nobre e superior; nem mesmo os amigos poupava do peso de seu senso crítico. Certa vez, seu irmão, que adquirira um imóvel, se assinou "Van Beethoven, proprietário de bens". Ludwig replicou: "Van Beethoven, proprietário de cérebro".

Ao príncipe Lichnovsky, um de seus patronos e mecenas, escreveu: "Príncipe, o que vós sois, o sois por acaso e nascimento; o que sou, sou através de mim. Príncipes houve e ainda haverá aos milhares; Beethoven, só há um."

Beethoven para todos

As cartas de Beethoven e seu diário são como uma pedreira, da qual cada um, afinal de contas, acaba retirando aquilo de que necessita no momento. Determinadas declarações suas denotam uma atitude revolucionária; outras, uma postura elitista.

BdT Beethovenkonzert in Japan

A 'Nona' no Japão: 5 mil cantores amadores entoam a 'Ode à Alegria'

Este fato, acoplado a sua estética musical inovadora, levou a tentativas de recrutamento a posteriori, em parte, absurdas. A Nona sinfonia sublinhou em 1937 o aniversário de Adolf Hitler. Também a noticia da morte do ditador foi acompanhada, no rádio, pela mesma obra beethoveniana.

Porém mesmo antes, durante a República de Weimar, Beethoven já era instrumentalizado politicamente. A direita acentuava sua suposta francofobia e via nele uma "titânica natureza guerreira". A esquerda equiparava o caráter revolucionário de sua música a seu efeito político.

Um uso que se prolongou durante a República Democrática Alemã. Após a Segunda Guerra Mundial, o compositor foi recrutado a serviço do regime comunista: Beethoven como guerreiro pela paz mundial.

Músico temperamental?

Contudo é totalmente fora de propósito procurar no próprio Beethoven metas políticas concretas. Suas declarações são díspares demais, para permitir tal coisa. Ele estava apenas preocupado com os novos caminhos da música – caminhos, aliás, que lhe traziam polpuda recompensa financeira.

Beethoven era conhecido por seu instinto para negócios. Entretanto vivia numa casa em péssimo estado, nos arredores de Viena, e pouco ligava para a própria aparência. Para seus contemporâneos, devia parecer absolutamente anticonvencional.

Ele permaneceu solteiro, vivendo para sua música: de manhã, compor; ao meio-dia, comer bem; à tarde, passear. Na percepção de muitos, ficou gravada até hoje a imagem do artista excepcional, porém difícil do ponto de vista humano. Ela é reforçada pelas centenas de quadros e bustos de um homem sisudo, de cabelos em alvoroço e olhar penetrante.

Contudo, muitas vezes a posteridade esquece até que ponto essa rispidez se devia à grande tragédia da vida de Beethoven: sua surdez.

Deficiência torturante

Beethovens Hoerrohr und Manuskript

O aparelho de surdez do compositor

Ludwig van Beethoven tem pouco mais de 30 anos quando fica óbvia a impossibilidade de esconder sua progressiva deficiência auditiva. Um músico surdo?

"Meus ouvidos ribombam dia e noite sem parar", escreve. O compositor pensa em suicídio, se afasta dos outros seres humanos. Chega a redigir uma carta de despedida, que, no entanto, não envia. Nela se encontra uma das mais conhecidas frases de Beethoven sobre si mesmo: "Oh homens, que me considerais hostil, intratável e misantropo, que injustiça cometeis comigo."

Leia mais