1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Beckenbauer ataca direção da DFB

Presidente do Comitê Organizador da Copa 2006 diz que comando duplo da Confederação Alemã de Futebol não funciona e escândalos desviam a atenção dos preparativos para o Mundial.

default

Beckenbauer está irritado com a cúpula do futebol alemão

"A Alemanha não precisa correr contra o tempo para fazer da Copa do Mundo de 2006 um evento perfeito. Tudo já está no seu devido lugar: ingressos à venda, estádios praticamente prontos e o setor de turismo fazendo ações em todo o mundo." Esta imagem da perfeição alemã, veiculada na imprensa brasileira, está sendo arranhada pelo escândalo das apostas e por intrigas na direção da Confederação Alemã de Futebol (DFB).

O abalo causado pelas denúncias de corrupção no futebol alemão é tal que levou o presidente do Comitê Organizador da Copa, Franz Beckenbauer, a desabafar. "A introdução da presidência partilhada da DFB, com Gerhard Mayer-Vorfelder e Theo Zwanziger, provavelmente foi um erro. O comando duplo foi instalado com boa intenção, mas não pode funcionar, pois desperdiça energia demais em brigas secundárias", disse o kaiser em Berlim.

"Primeiro, foi criado um comando duplo que não funciona. Agora, passamos o tempo todo ocupados com o escândalo das apostas. Espero que não expluda mais outra bomba, pois daí poderemos fechar o boteco", desabafou Beckenbauer durante a entrega dos prêmios aos vencedores do concurso de curtas "Shoots Goals! Shoots Movies", realizado pela Fifa no âmbito da Berlinale – o Festival Internacional de Cinema em Berlim.

Os ataques de Beckenbauer dirigiram-se, sobretudo, contra Mayer-Vorfelder, há tempo criticado pela imprensa por cartolagem na direção do futebol alemão. "Mas até a Copa de de 2006, a DFB terá de suportá-lo. Ele foi eleito e temos de conviver com esta situação", disse Beckenbauer. Segundo informações do jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), na última reunião de diretoria da confederação, já houve uma tentativa de derrubar Mayer-Vorfelder através de uma moção de desconfiança.

Cartolas unidos

Enquanto isso, Theo Zwanziger tenta impedir uma escalada do conflito na direção da DFB. Ele disse ao FAZ que concorda com o comando duplo até a Copa, mas quer uma clara divisão de tarefas com Mayer-Vorfelder. "Sem querer derrubá-lo, espero que ele deixe o comando operativo sob responsabilidade de um grêmio rapidamente acessível, presidido por mim", disse.

Um sinal de que Mayer-Vorfelder está perdendo poder é que ele foi excluído da presidência executiva, formada por quatro dirigentes: Zwanziger, mais o tesoureiro Heinrich Schmidhuber, o presidente da Liga Alemã de Futebol, Werner Hackmann, e o secretário-geral da DFB, Horst Schmidt. Este grêmio foi encarregado de esclarecer o mais rápido possível o escândalo dos jogos manipulados por juízes subornados pela máfia das apostas.

Apagando incêndios

As turbulências na direção da DFB, acusada de passividade no escândalo das apostas, preocupam o Comitê Organizador da Copa de 2006. "O clima, no momento, não é nada bom", disse Beckenbauer, que desde o início rejeitou o comando duplo da DFB.

Em tom irônico, Beckenbauer disse estar "muito satisfeito em ter gente tão boa" no Comitê Organizador. "Há meses estamos ocupados em apagar um incêndio após o outro. Primeiro, foi a procura de um novo treinador para a seleção, daí veio o polêmico comando duplo e agora o escândalo das apostas, que desviam a atenção do principal: os preparativos para o Mundial de 2006", afirmou.

Apesar das críticas, Heinrich Schmidt acredita que o comando duplo da DFB será mantido até o Mundial. "Mayer-Vorfelder e Zwanziger estão longe de fazer um jogo de cão e gato", disse.

Leia mais