BCE anuncia compra de títulos públicos para apoiar a Itália e a Espanha | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 08.08.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

BCE anuncia compra de títulos públicos para apoiar a Itália e a Espanha

Medida visa acalmar investidores e impedir que as turbulências no mercado financeiro afetem as duas economias, fragilizadas pelas altas dívidas. Juros para os papéis italianos e espanhóis já começam a registrar queda.

default

Na noite deste domingo (07/08), o Conselho do Banco Central Europeu (BCE) afirmou que a instituição está preparada para "implementar ativamente" o seu programa de compra de títulos no mercado secundário, sinalizando a disposição de comprar papéis da Itália e da Espanha.

O anúncio foi feito após horas de discussão do conselho sobre a crise financeira que atinge os Estados Unidos e países da Europa e tem por objetivo impedir que as turbulências nos mercados financeiros afetem a Itália e a Espanha, duas economias fragilizadas pelo alto envididamento público.

O ministro francês das Finanças, François Baroin, afirmou à emissora Europe 1 que o BCE já estaria preparado para a compra nesta segunda-feira, caso os investidores recuem.

Segundo operadores, o anúncio do BCE já foi posto em prática e trouxe um pouco de alívio para o mercado financeiro. A autoridade monetária europeia estaria comprando títulos com prazo de cinco anos.

Em consequência, os juros sobre os títulos públicos de dez anos dos dois países tiveram significativas quedas e ficaram bem abaixo da marca dos 6%. A diferença em relação aos títulos alemães, considerados especialmente estáveis e por isso usados como referência, retrocedeu. Na semana passada ela havia alcançado níveis recordes.

O mercado de ações europeu abriu em queda nesta segunda-feira. Os principais mercados asiáticos fecharam com perdas. Tóquio fechou com queda de 2,18%, Hong Kong caiu 2,11%, Seul, 3,82% e Sidnei, 2,91%. Na semana passada, o medo do contágio da crise nos mercados mundiais fez com que bolsas em todo o mundo registrassem significativas quedas.

Movimentação política

Após a agência de rating Standard & Poor's ter reduzido a classificação de crédito dos Estados Unidos de AAA para AA+, na sexta-feira passada, a movimentação de líderes mundiais durante o fim de semana foi intensa. O objetivo era convencer investidores da estabilidade dos investimentos.

Na noite de domingo, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Nicolas Sarcozy, tentaram transmitir segurança aos investidores por meio de uma declaração conjunta.

Eles reforçaram que o fundo de ajuda a países da zona do euro está disponível para comprar títulos no mercado secundário. Esse teria sido um ponto crucial para que o BCE acertasse a aquisição dos papéis da Itália e também da Espanha.

Ministros das finanças do G7 (sete países industrializados) também tentaram acalmar os investidores ao anunciar que estão dispostos a ações coordenadas para garantir a estabilidade dos mercados financeiros.

MS/rts/afp
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais