1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Batalha de Waterloo completa 200 anos

Há dois séculos, a disputa pelo poder na Europa foi decidida na pequena cidade ao sul de Bruxelas. Napoleão viveu sua derrota definitiva, num confronto que mudou o curso da história mundial.

Pintura de William Sadler retrata a Batalha de Waterloo

Pintura de William Sadler retrata a Batalha de Waterloo

Em todo o mundo, Waterloo virou sinônimo de um fracasso retumbante, irreversível. Foi na pequena cidade belga ao sul de Bruxelas que, em 18 de junho de 1815, Napoleão travou sua última batalha – e viveu sua derrota definitiva, marcando o fim de uma era na história mundial.

Por quase duas décadas, o general corso Napoleão Bonaparte manteve a Europa em movimento. Mas foram as cerca de cem horas de Waterloo, há 200 anos, que selaram a nova ordem política no continente.

Após a agitação social da Revolução Francesa, que, entre 1789 e 1799, ecoou em toda a Europa e abalou as estruturas da velha ordem política, a roda da história retrocedeu com a derrota de Napoleão em Waterloo. Abriu-se um período marcado pela restauração monárquica e o restabelecimento das velhas relações de poder.

E nisso tiveram um papel fundamental os vitoriosos de Waterloo: o marechal anglo-irlandês Arthur Wellesley, mais conhecido como o Primeiro Duque de Wellington, e o marechal prussiano Gebhard Leberecht von Blücher.

Napoleon

Napoleão travou sua última batalha em 1815

Napoleão hesitante

Em Waterloo, Napoleão Bonaparte já não era mais o mesmo homem de antes do exílio na ilha de Elba, ao qual fora submetido em 1813. Debilitado e hesitante, ele também já não era mais tão jovem. Quando voltou ao poder como imperador, já dava sinais de desgaste. Mas o povo ainda se mantinha fascinado com o conquistador de outrora. E ele queria mais uma vez partir para a batalha contra as demais potências europeias. O problema é que, na época, elas haviam se aliado.

A tática de Napoleão para derrotar os exércitos prussiano, britânico e holandês era, em razão da superioridade numérica dos adversários, vencê-los separadamente. Cerca de 72 mil franceses teriam que enfrentar o dobro de soldados – sem contar com os austríacos e russos, que vinham do leste para também lutar contra a França.

Historiadores dizem que seria possível derrotar a coalizão adversária, enfrentando os exércitos separadamente. Porém, ficou faltando esse último passo. A fuga de Napoleão do exílio em Elba e sua marcha triunfal a Paris em somente três semanas foram provas da habilidade do "petit caporal" de pressentir e executar de forma rápida as coisas certas. Mas, em Waterloo, essa habilidade parece tê-lo abandonado, e Napoleão ficou hesitante.

Em 16 de junho de 1815, cerca de 160 mil soldados estavam no local, com os prussianos levemente em maior número que os franceses. Em sete horas, Napoleão obteve sucesso na expulsão do exército de Blücher graças a sua Velha Guarda. O preço da vitória: 10 mil soldados franceses mortos, e o dobro de alemães. "Blücher levou uma boa surra", comentou Wellington, um dia depois, sobre a derrota de seu aliado.

Encenação da Batalha de Waterloo em Ligny, em 2015, durante comemoração dos 200 anos

Encenação da Batalha de Waterloo em Ligny, em 2015, durante comemoração dos 200 anos

O britânico escapou por pouco de também sofrer uma derrota. A apenas poucos quilômetros de Ligny, onde os prussianos levaram a pior contra Napoleão, Wellington confrontou um terço do Exército do Norte francês, sob o comando do marechal Michel Ney.

Wellington conseguiu manter sua posição no importante cruzamento de Quatre-Bras, mas apenas porque Ney não agiu com determinação. Ele – como o "mais valente dos valentes", mais combatente do que pensador – também não era mais o mesmo.

Erro tático francês

Apesar de tudo, Napoleão conseguiu avançar entre os frontes britânico e prussiano. Mas então ele cometeu dois erros militares cruciais, afirma em entrevista à DW o especialista Hans-Wilhelm Möser, que escreveu um livro sobre a Batalha de Waterloo.

Portrait of Arthur Wellesley 1st Duke of Wellington

Wellington: "Queria que fosse noite ou que os prussianos viessem!"

"Ele falhou ao não perseguir os prussianos derrotados em Ligny", afirma Möser, com o objetivo de eliminá-los. "Em consequência, ele não sabia onde eles estavam e o que faziam, e teve que planejar e agir no escuro. Depois, ele deixou Wellington escapar em Quatre-Bras na manhã de 17 de junho e, com isso, perdeu a oportunidade de vencer seus inimigos individualmente, como era seu plano original de batalha."

Nada resume melhor a difícil situação em que os britânicos se encontravam do que a famosa declaração Wellington: "Eu queria que fosse noite ou que os prussianos viessem!"

Os prussianos vieram – atrasados, mas não tarde demais. O ataque de Blücher levou a uma fuga em massa dos franceses, que no fim da tarde já estavam em movimento de retirada. O dia ainda não tinha chegado ao fim, e a batalha já estava decidida. Do Exército do Norte, sobrou apenas a metade.

Quem não foi morto estava ferido ou preso. Após Ligny, Napoleão acabou dando uma segunda chance aos prussianos – e subestimou taticamente os britânicos. Seus adversários o derrotaram usando, justamente, seus antigos pontos fortes.

Deutschland Gebhard Leberecht Fürst Blücher von Wahlstatt

O marechal prussiano Gebhard Leberecht von Blücher

Coincidência de fatores

E ainda havia algo mais no caminho de Napoleão: o Congresso de Viena. O general corso equivocadamente pensava que a conferência de chefes de Estado para estabelecer a nova ordem política na Europa já havia acabado quando ele fugiu da ilha de Elba.

Criou-se uma situação inusitada: em Viena, os poderosos do Velho Continente estavam reunidos para, após milhões de mortos nas guerras, enfrentarem de forma conjunta Napoleão. E justamente aí ele voltava a atacar.

Assim, todos os adversários de Napoleão aproveitaram o fato de já estarem reunidos nas dependências do imperador austríaco para rapidamente costurar uma aliança contra Napoleão. Nesse contexto, a fuga da ilha de Elba aconteceu seis meses cedo demais – e o imperador sabia disso.

Sem essa reunião casual dos maiores e mais poderosos em Viena, a aliança contra Napoleão jamais teria sido formada tão rapidamente – e a história da Europa após 1815 provavelmente teria transcorrido de forma diferente. Waterloo marcou o fim definitivo do domínio francês na Europa e tornou-se sinônimo de uma derrota acachapante.

#gallerybig#