1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Bancos europeus exigem reforma da UE antes da ampliação

Congresso de bancos europeus realizado em Frankfurt exige reformas da União Européia, antes que a comunidade de 15 países admita os candidatos do Leste Europeu.

A ampliação da União Européia, com o ingresso de países principalmente do Leste Europeu, exige profundas reformas, não apenas dos candidatos mas também dos 15 membros da UE. Essa foi a principal conclusão do Congresso Europeu de Bancos, realizado nesta sexta-feira, em Frankfurt, com a participação de inúmeros políticos e diretores de bancos privados e bancos centrais da Europa.

Para o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Wim Duisenberg, os mercados financeiros dos aspirantes ainda são muito incipientes, pelo que esses países não estão aptos a participarem da União Monetária Européia. O setor bancário fez enormes progressos nos últimos anos, com a privatização de bancos estatais e a participação de institutos de créditos estrangeiros, mas os mercados de capitais não acompanharam esses avanços.

Sistemas financeiros – O pleno funcionamento dos sistemas financeiros no Leste Europeu é uma condição para a participação na União Monetária e para o êxito da política monetária. Os mercados de capital também são importantes como fonte de financiamento da iniciativa privada, para que se possa aproveitar todo o potencial de crescimento econômico.

Para o comissário de Ampliação da União Européia, o alemão Günter Verheugen, apesar das dificuldades, não há alternativa à ampliação da comunidade, com a admissão de países do Leste Europeu. Os problemas atualmente em discussão, como o processo de decisões na UE, não seriam resultantes da atual ampliação, mas sim de rodadas anteriores que culminaram no ingresso de outros países.

Unanimidade x eficiência – Para Verheugen, é de suma importância o fortalecimento do Parlamento Europeu, pois uma futura Comissão Européia, integrada talvez por 27 pessoas, dificilmente conseguirá trabalhar de forma eficiente. Os países pequenos são os que mais relutam em aceitar a possibilidade de não estarem representados com um voto no órgão executivo da União Européia.

O presidente do Dresdner Bank, Bernd Fahrholz, considerou alarmante que o princípio da unanimidade ainda não tenha sido abolido em decisões políticas fundamentais na UE. Assim, nas questões decisivas sobre política estrutural e regional, os novos membros poderiam bloquear toda tentativa de redução do orçamento.

Fahrholz calcula que, sem uma adaptação dos mecanismos de financiamento, o orçamento da UE teria uma sobrecarga de 44 bilhões de euros (96,7 bilhões de reais). Para a Alemanha, como país que mais contribui para os cofres de Bruxelas, isso significaria dobrar sua cota para cerca de 20 bilhões de euros (44 bilhões de reais), o que dificilmente o contribuinte alemão entenderia.