Banco Central Europeu luta por credibilidade em meio à pior crise do euro | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 16.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Banco Central Europeu luta por credibilidade em meio à pior crise do euro

Líderes europeus declaram que pacote de resgate a países endividados não é suficiente para pôr finanças europeias em ordem. Ministros das Finanças da zona do euro discutem em Bruxelas redução de dívidas na Europa.

default

Trichet rebate críticas contra BCE

Em entrevista divulgada neste final de semana pela revista alemã Spiegel, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, declarou que, devido à montanha de dívidas e à debilidade da moeda europeia, os países da zona do euro se encontram "na pior situação desde a Segunda Guerra Mundial, e talvez até mesmo desde a Primeira".

"Vivenciamos e ainda estamos vivenciando, realmente, tempos dramáticos", disse Trichet. O presidente do BCE comparou a grave crise de uma semana atrás – quando os países-membros da União Europeia (UE) reagiram com um pacote de resgate de 750 bilhões de euros para salvar a economia debilitada de alguns países-membros do bloco – com a falência do banco norte-americano Lehman Brothers, em setembro de 2008.

Por esse motivo, Trichet exigiu um "salto quantitativo no controle recíproco da política econômica na Europa" e declarou que são necessárias "sanções efetivas no caso de violações contra o pacto de estabilidade e crescimento".

O presidente do BCE também fez alusão aos programas de austeridade com os quais se comprometeram os chefes de governo da UE: "Eles assumiram o compromisso de acelerar a consolidação de seus orçamentos. Eles sabem o que está em jogo".

Euro em baixa

Na esperança de aliviar a pressão sobre a moeda europeia, a UE aprovou o pacote bilionário para ajuda a países enfraquecidos da zona do euro. No entanto, até o início desta semana, o pacote de resgate não conseguiu acalmar os mercados financeiros, o euro caiu para o nível mais baixo desde 2006.

Além das dúvidas em torno do sucesso das medidas de austeridade econômica na Europa, a inquietação nos mercados foi gerada pelo anúncio do primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, de que a economia espanhola não atingirá a esperada meta de crescimento de 1,8% em 2011.

BCE na berlinda

DOSSIER Kampf um den Euro Teil 1

Euro: cotação mais baixa desde 2008

Em meio à pior crise da união monetária, o Banco Central Europeu luta por sua credibilidade. O banco sofre críticas por ter posibilitado, com a compra de títulos de dívida soberana, as garantias bilionárias concedidas pelos países da zona do euro para a estabilização de sua moeda.

Dessa forma, o BCE injeta bilhões no mercado, o que implica perigos inflacionários. Especialistas veem aí uma evasão de reservas do banco e uma rendição à política. "Há o perigo de o euro se tornar uma moeda fraca", advertiu o ex-presidente do BCE, Karl Otto Pöhl.

No entanto, o atual presidente do banco europeu rechaçou tais temores. O BCE irá absorver novamente "cada euro" dessa liquidez adicional, disse Trichet. Ele acresceu que o BCE toma suas decisões de forma completamente independente e que já se posicionou, no passado, contra a postura de chefes de governo na Europa.

Freio no endividamento

Em consequência da instabilidade financeira, o vice-premiê e ministro austríaco das Finanças, Josef Pröll, exigiu um "freio no endividamento" europeu. "Isso levaria a uma clara restrição de novas dívidas, a uma rígida disciplina orçamentária e, finalmente, a orçamentos equilibrados na Europa". O ministro austríaco anunciou que irá aumentar a pressão sobre os endividados Portugal e Espanha, para que apresentem um programa de austeridade econômica convincente.

Também para a premiê alemã, Angela Merkel, o pacote de ajuda à moeda europeia por si só não é suficiente. Alguns países da zona do euro têm que colocar suas finanças em ordem, tornando-se mais competitivos, disse Merkel. A longo prazo, a estabilidade do euro pode ser somente assegurada se a Europa atuar em conjunto em relação à política financeira, acresceu.

Nesta segunda-feira (17/05), os ministros das Finanças da zona do euro discutem em Bruxelas a redução da montanha de dívidas na Europa e também a situação orçamentária de países-membros em crise, como Grécia, Espanha e Portugal.

Os líderes das Finanças dos 16 países do Eurogrupo deverão discutir não somente os detalhes do pacote de resgate, mas também as recentes medidas de austeridade econômica na Espanha e Portugal. Ambos os países anunciaram novos cortes, entre eles, a redução salarial e de aposentadorias, como também o aumento de impostos.

CA/rtr/dpa

Revisão: Soraia Vilela

Leia mais