Banco Central Europeu anuncia novo corte na taxa de juros | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 08.12.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Banco Central Europeu anuncia novo corte na taxa de juros

Taxa de juros da autoridade monetária da zona do euro volta ao patamar de 1%, o menor da história. Anúncio ocorre horas antes do início da cúpula de líderes da UE.

default

Draghi anunciou medidas para fortalecer o setor bancário

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta quinta-feira (08/12) um corte de 0,25 ponto percentual na sua taxa básica de juros, que retorna assim ao nível de 1% ao ano – o mais baixo já alcançado e que havia perdurado de maio de 2009 a abril de 2011.

O anúncio já era esperado pelos mercados e ocorreu poucas horas antes do início de uma decisiva cúpula de líderes da União Europeia (UE) em Bruxelas, onde será debatida uma solução para a crise da dívida que assola o bloco.

O objetivo do BCE com o novo corte é impulsionar a economia da zona do euro, ameaçada de recessão por causa da crise. Juros baixos tornam os empréstimos mais baratos, o que facilita os investimentos das empresas e também estimula o consumo privado.

Esse foi o segundo corte de 0,25 ponto percentual em apenas cinco semanas anunciado pelo BCE, a autoridade monetária dos 17 países que usam o euro. Analistas esperam que a instituição aja com mais rigor contra a crise, por exemplo comprando títulos de países endividados.

Além do corte na taxa de juros, o presidente do BCE, Mario Draghi, anunciou em Frankfurt um pacote de medidas para apoiar o setor financeiro. Bancos, por exemplo, poderão obter empréstimos a juros baixos e com vencimento em três anos junto ao BCE. No momento, esses empréstimos têm o prazo máximo de um ano.

Em Bruxelas, os líderes da UE vão analisar uma série de propostas elaboradas pela chanceler federal alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy. As medidas devem levar à criação da chamada união fiscal, que prevê um controle mais rígido da União Europeia sobre os orçamentos nacionais e punições automáticas para países deficitários.

Os líderes também cogitam manter dois fundos de resgate do euro operando em paralelo e ampliar a participação do FMI na ajuda aos países endividados.

AS/ap/rtr/afp
Revisão: Mariana Santos

Leia mais