1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Banco Central eleva juros para 12,25% ao ano

Copom aumenta a taxa Selic pela terceira vez consecutiva. Objetivo é tentar conter a inflação. Embora ajude no controle dos preços, alta pode prejudicar reaquecimento da economia.

O Banco Central elevou nesta quarta-feira (21/01) a taxa básica de juros, a Selic, em 11,75% para 12,25% ao ano. Este é o terceiro aumento consecutivo da taxa, e o objetivo do Banco Central é controlar o crédito e a inflação.

"Avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom [Comitê de Política Monetária] decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 12,25% ao ano, sem viés", diz o Banco Central em nota.

Com o reajuste, a taxa Selic chega ao maior percentual desde agosto de 2011, quando estava em 12,5% ao ano. Embora ajude no controle dos preços, o aumento da taxa Selic prejudica o reaquecimento da economia, que ainda está sob efeito de estímulos do governo, como desonerações e crédito barato.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central contém o excesso de demanda que pressiona os preços, pois os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

O aumento em meio ponto percentual na taxa de juros ocorre justamente numa altura de fraco crescimento da economia brasileira e alguns dias depois de o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ter anunciado um

pacote com aumento de impostos

com o objetivo de equilibrar as finanças públicas do Brasil.

PV/lusa/ab

Leia mais