Balancete da ThyssenKrupp decepciona | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.05.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Balancete da ThyssenKrupp decepciona

Os lucros da gigante alemã do aço caíram 78% no primeiro semestre do ano fiscal 2001/2002. Os outros dados também foram fracos, o que obrigou a diretoria a rever as previsões para 2002.

default

Ekkehard Schulz, presidente do conglomerado alemão

Após uma queda drástica de seus lucros no primeiro semestre do ano fiscal, a ThyssenKrupp corrigiu suas previsões para 2002. O lucro antes do pagamento de impostos será de 400 milhões de euros, 100 milhões de euros a menos do que se esperava, o que não inclui a soma obtida com a venda de participações, informou a gigante alemã do aço, nesta quinta-feira (23), em Düsseldorf.

O faturamento não atingirá o montante do ano passado, que foi de 38 bilhões de euros. A bolsa de valores reagiu à notícia negativa com uma desvalorização de 1,3% na ação da ThyssenKrupp.

Os lucros do grupo, que no final de março empregava em todo o mundo 190 mil pessoas, caíram 78% para 124 milhões de euros no primeiro semestre do ano fiscal 2001/2002. Essa soma inclui 114 milhões de euros da venda de participações em empresas. O resultado antes dos juros, impostos e amortizações (EBITDA), considerado um indicador da produtividade da empresa, caiu 35%. As encomendas tiveram uma queda de 6%, totalizando 18,1 bilhões de euros. O faturamento diminuiu 8% para 17,4 bilhões de euros.

Culpa da conjuntura - O desaquecimento da conjuntura na Europa foi citado pela diretoria do grupo como a principal razão para a queda dos lucros. Há indícios de uma recuperação no segundo semestre de 2002, no entanto, a situação é muito instável em muitos mercados. A empresa conta com um crescimento de 1,5% na Europa Ocidental. A grande preocupação é a crise no mercado mundial do aço. O setor foi responsável por 27% do faturamento total, no ano passado. No final de março, 50.400 pessoas estavam empregadas nesse setor, o que representa uma diminuição de 6,2% em relação ao ano anterior. Ao todo, a ThyssenKrupp emprega 190.400 funcionários. Na Alemanha, 1,9% das vagas foram cortadas. As dívidas do grupo aumentaram 14,3%, totalizando 7,3 bilhões de euros.

Links externos