1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Balanço positivo dos brasileiros na Biofach

Açúcar, café e soja do Brasil brilharam na Biofach, maior feira mundial de orgânicos, encerrada no domingo em Nurembergue, na Alemanha. Produtores alemães preocupados com crescimento da concorrência internacional.

default

Café orgânico do Brasil é prestigiado no exterior

Os expositores e visitantes brasileiros fazem um balanço positivo de sua participação na Biofach 2003, encerrada no domingo (16). O grupo, composto de 22 expositores e 18 representantes de projetos do Sebrae paulista, foi organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK - São Paulo), em conjunto com a Agência de Promoção das Exportações, o Instituto Biodinâmico e o portal Planeta Orgânico.

A participação brasileira faz parte de um projeto que visa a colocação dos produtos brasileiros no mercado alemão. A iniciativa engloba, entre outras coisas, a organização de seminários, pesquisa de mercado, apoio logístico, encontros, visitas agendadas e rodadas de negócio para divulgar o produto orgânico brasileiro na Alemanha. Na manhã desta segunda-feira, o grupo visitou o supermercado de orgânicos de Nurembergue.

A diretora do Departamento de Feiras da AHK mostrou-se surpresa com a variedade. "Nosso pessoal está encantado. Infelizmente, no Brasil ainda temos um público pequeno. Embora nossos produtos orgânicos tenham uma excelente qualidade, eles são três a quatro vezes mais caros que os convencionais", assinala Dinah Worisch Mazzo.

Açúcar, café e soja, os favoritos

Apesar da grande variedade de orgânicos do Brasil trazidos à feira no sul da Alemanha (concentrados de frutas, verduras, arroz, mel, entre outros), o interesse concentrou-se em açúcar, café e soja em grão. "As negociações com os produtores devem se estender nos próximos três meses", explica Dennis Ditchfield.

Segundo o presidente do Instituto Biodinâmico (IBD), uma das principais certificadoras do Brasil, a feira foi produtiva tanto no aspecto comercial, pois houve muitos contatos para representação, como em termos de crescimento de espaço físico – o estande brasileiro tinha 265 metros quadrados.

A preocupação do Instituto Biodinâmico com o aspecto social da produção de orgânicos impressionou os visitantes, conforme explica seu presidente: "Ao conferirmos nossos certificados de garantia, atentamos também se não há exploração do trabalhador ou mão-de-obra infantil."

Alemães preocupados com a concorrência

O mercado de produtos em harmonia com a natureza está em crescimento principalmente nos grandes centros alemães. No ano passado, o setor foi responsável por um faturamento da ordem de três bilhões de euros. "Temos um ótimo potencial para os produtos biológicos, mas nossos preços estão no limite", queixa-se Thomas Dosch, da Bioland, a maior associação alemã de produtores de orgânicos, com 4400 membros.

A produção de leite é uma das que mais preocupa, assinala o agricultor Siegfried Meyer. "Como nossos preços são acoplados aos dos produtos da agricultura convencional, ganhamos 6,5 centavos de euro por litro de leite. Pelos meus cálculos, o preço deveria ser pelo menos um centavo mais alto", reclama o produtor. (N.R.: o litro do leite custa ao consumidor alemão cerca de 80 centavos).

O mesmo não vale para carnes ou verduras. Enquanto o quilo de carne bovina alemã para refogado, com o selo orgânico, custava em torno de 14 euros, no ano passado, o preço da mesma carne de produção convencional era de 8 euros.

Por ser um mercado importante, a Alemanha é o principal alvo dos produtores de outros países, principalmente os vizinhos. Britânicos, holandeses, italianos e dinamarqueses conquistam cada vez mais espaço, em detrimento dos produtores locais.

Leia mais

Links externos