1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Bacalhau no corredor da morte

Conselho de Ministros da Agricultura da União Européia aprova reforma mínima em sua política pesqueira. Alemanha e Suécia foram os únicos dos 15 países da UE a votar contra o acordo.

default

Países pesqueiros impuseram derrota às propostas da Comissão Européia e da Alemanha

De segunda a sexta-feira, os ministros discutiram a redefinição de cotas de pesca e de subvenções. Ao fim, foi aprovada apenas uma minirreforma da política de pesca da União Européia. Alemanha e Suécia isolaram-se como os únicos países membros a discordarem das resoluções finais. Os dois países queriam normas mais rígidas para conter o extermínio de algumas espécies, como o bacalhau.

"Foram cinco dias em que toda hora o rumo dos debates deslocava-se um milímetro na mesma direção. E, na minha opinião, na direção errada", lamentou decepcionada Renate Künast, ministra alemã da Agricultura e Defesa do Consumidor.

A militante verde tem razão de estar irada. Da proposta de reforma apresentada pela Comissão Européia, apoiada pela Alemanha, pouco restou. O projeto previa cortes drásticos na cota de pesca de algumas espécies de peixes, além da desativação de frotas pesqueiras superdimensionadas de alguns países, sobretudo mediterrâneos. A minirreforma aprovada até prevê reduções em ambos os casos, mas, para Künast, não o suficiente.

"Tenho de admitir que este pacote contém avanços visíveis, em comparação com a situação anterior. Mas ele não me satisfaz, diante das estimativas científicas, em especial no que diz respeito ao bacalhau. Por isto votamos contra", explicou a ministra.

Bacalhau, o pivô dos debates

Diante da constante pesca excessiva que impede os bacalhaus de chegarem hoje à idade adulta, os cientistas reivindicam a proibição total da pesca deste peixe, ao menos por tempo determinado, para que os cardumes voltem a se multiplicar. Esta foi a posição defendida pela Alemanha. Embora concorde com ela, o comissário europeu Franz Fischler propôs no início das negociações um acordo em torno de uma drástica redução de 80% na cota deste pescado. No entanto os ministros não aceitaram diminuir mais do que 45%.

As propostas alemãs de elaborar um plano para recuperação dos cardumes e de interdição da pesca em regiões de desova deste peixe no Mar do Norte foram igualmente rejeitadas pelos grandes países pesqueiros. A organização WWF qualificou o acordo de Bruxelas como a sentença de morte do bacalhau.

Países pesqueiros se impõem

Os principais países pesqueiros também forçaram a Comissão Européia a ceder em relação às frotas. O plano era extinguir todas as subvenções para construção de novos barcos de pesca e modernização de antigos ao fim deste ano. Pela resolução do Conselho de Ministros, os subsídios foram prorrogados até o fim de 2004, pelo menos para embarcações de pequeno e médio porte.

Liderada pela Espanha e França, a autodenominada Aliança dos Amigos da Pesca justificou sua resistência às reformas apresentadas pelo comissário Fischler com o argumento de defender a sobrevivência de seus pescadores. Para a ministra alemã, uma visão míope. "Esta aliança só está pensando em viabilizar a pesca nos próximos anos, sem se preocupar com o futuro", avalia Künast, que alimenta a esperança de que as atuais resoluções sejam apenas o início de uma grande reforma.

Atual presidente do Conselho, a ministra dinamarquesa Mariann Fischer Boel considerou bom o acordo, que equilibraria a necessidade de preservação dos cardumes e sua exploração econômica sustentada. A minirreforma prevê ainda a redução das cotas de pesca de outras espécies, como badejo, pescada e eglefim, entretanto sempre em passos menores do que o pretendido pela Comissão Européia.

Leia mais