1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bélgica libera suspeito de ataques por falta de provas

Procuradoria Federal afirma que pistas sobre homem, identificado pela imprensa belga como Fayçal Cheffou, não foram sustentadas após investigações. País acusa mais três pessoas por participação em grupos terroristas.

default

"Homem de chapéu" na foto ainda não foi identificado

As autoridades da Bélgica libertaram nesta segunda-feira (28/03) Fayçal C., detido na sequência dos atentados da última terça-feira em Bruxelas e acusado de terrorismo no sábado. Segundo a Procuradoria Federal do país, as pistas iniciais não foram sustentadas por investigações realizadas posteriormente.

"As pistas que levaram à detenção de Fayçal C. não foram sustentadas pela evolução do atual inquérito. Em consequência, o indivíduo foi libertado pelo juiz de instrução", afirmou a procuradoria belga, sem acrescentar mais detalhes. A imprensa belga identificou o homem como Fayçal Cheffou.

Cheffou chegou a ser apontado como o terceiro homem que estaria no aeroporto internacional de Zaventem para realizar os atentados. Mas a divulgação de um vídeo, mais cedo, do denominado suspeito usando um chapéu e um casaco claro, empurrando um carrinho de bagagem com uma mala dentro, levantou dúvidas na imprensa local se a polícia não estaria procurando outro homem.

Ao lado dos suicidas Ibrahim El Bakraoui e Najim Laachraoui, que morreram no aeroporto, o homem que aparece usando chapéu na gravação teria fugido do local após sua mala com bombas ter falhado na explosão. Detido na última quinta-feira, Fayçal se apresentou como jornalista freelancer e foi identificado pelo motorista de táxi que levou os autores do atentado ao terminal.

Mais cedo, os procuradores em Bruxelas afirmaram que acusaram mais três pessoas – identificados como Yassine A., Mohamed B. e Aboubaker O. – por participação em grupos terroristas. Os ataques realizados ao aeroporto de Bruxelas e à estação de metrô Maelbeek, na última terça-feira, deixaram ao menos 35 mortos.

FC/rtr/afp/ap/lusa

Leia mais