Bélgica assume presidência da União Europeia com governo interino | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 01.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Bélgica assume presidência da União Europeia com governo interino

Bélgica inicia presidência rotativa da União Europeia em meio ao processo de formação de um novo governo, o que levanta dúvidas sobre as condições do país em assumir a tarefa.

default

Yves Leterme, primeiro-ministro em exercício da Bélgica

Após a vitória dos nacionalistas flamengos nas últimas eleições parlamentares da Bélgica, em meados de junho, o futuro político do país ainda continua incerto. Mesmo assim, Bruxelas assume nesta quinta-feira (01/08) a presidência rotativa semestral do Conselho da União Europeia (UE).

"Deixem a Bélgica pulverizar-se", bradava em sua campanha eleitoral Bart de Wever, presidente do partido separatista Nova Aliança Flamenga. Nas eleições de junho último, seu partido se tornou a maior força política do país e o rei Alberto 2° encarregou De Wever de iniciar as negociações para a formação de um governo.

De Wever não é, porém, o mais cotado para o cargo de primeiro-ministro, e sim o político socialista da Valônia Elio di Rupo. Mas, independentemente disso, a agitação é grande no país desde que o resultado eleitoral foi divulgado: como é possível formar um governo estável na Bélgica se um partido flamengo separatista é a maior força política? E quais serão as consequências dessa situação para a presidência rotativa belga do Conselho da União Europeia?

Durão Barroso confiante

Wahlen in Belgien Bart De Wever

De Wever defende separação da Flandres

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, se mostrou confiante após encontro com De Wever: "Eu estou totalmente convencido de que a Bélgica, que sempre esteve no centro do projeto europeu, lá permanecerá – e o encontro com o Sr. De Wever reiterou minha convicção".

A Comissão Europeia não interfere em assuntos políticos internos dos Estados-membros; assim, ela também não se intromete na oposição entre Valônia (no sul, francófona) e Flandres (no norte, holandesa), as duas principais regiões administrativas da Bélgica. Mas a Comissão espera que a presidência rotativa belga da UE transcorra sem dificuldades.

E De Wever parece estar ciente de suas responsabilidades. Após conversas com o primeiro-ministro em exercício, Yves Leterme, o separatista flamengo assegurou que a presidência belga do Conselho da UE não será, de forma alguma, prejudicada pelo processo de formação de governo. "Acreditamos que teremos um novo governo antes de o Parlamento se reunir novamente, em outubro, após o recesso de verão", afirmou De Wever.

Menos poder

Dessa forma, Leterme poderia continuar no cargo de primeiro-ministro, de forma interina, até metade da presidência semestral rotativa do Conselho da UE. No entanto, quanta iniciativa pró-europeia se pode esperar de um governo nacional em fim de mandato?

Há alguns dias, Leterme evitou responder essa pergunta de forma direta. E o fato de ter trocado seguidamente de língua pode ser entendido como um símbolo do estado de espírito da Bélgica. Em francês, inglês e holandês, Leterme respondeu que o papel de um país-membro, que assumiu a presidência rotativa do Conselho da UE, é facilitar o processo de tomada de decisões em nível europeu. "Esse é o nosso papel fundamental", resumiu.

Além disso, Leterme salientou que o Tratado de Lisboa restringiu o papel da presidência rotativa. A presidência da União Europeia é ocupada agora pelo presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy. Ele também é belga e foi tanto antecessor quanto sucessor de Leterme na chefia do governo de seu país.

Lacuna europeia

No entanto, o governo em exercício da Bélgica não pretende simplesmente relaxar e deixar o trabalho para outras pessoas. O ministro do Exterior, Steven Vanackere, argumenta que essa é a obrigação do governo perante os cidadãos do país. "Mais do que nunca, os belgas esperam medidas eficazes e resultados concretos", afirmou o ministro.

Muitos temem que, devido às divergências entre valões e flamengos, a Bélgica estará ocupada apenas consigo mesma durante os seis meses da presidência rotativa do bloco europeu. E, quando falta esse tipo de liderança, a experiência mostra que as grandes nações européias vêm fechar essa lacuna.

Autor: Christoph Hasselbach (ca)

Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais