1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Avião militar ameaça coalizão de governo

Chefe de governo alemão, Gerhard Schröder, proibe deputado verde de atacar o plano de aquisição de 73 aviões militares com ameaça de acabar com a coalizão governamental entre os partidos social-democrata (SPD) e Verde.

default

Gerhard Schröder ameaça os verdes com rompimento da coalizão.

O chanceler federal da Alemanha e presidente do Partido Social Democrático (SPD), Gerhard Schröder, ameaçou o Partido Verde com um rompimento da coalizão de governo, por causa da resistência de parceiros verdes em liberar dinheiro para compra de 73 aviões de transporte militar do tipo A400M. O chefe de governo telefonou para o líder do PV no Parlamento em Berlim, Rezzo Schlauch, na segunda-feira (11), e proibiu o perito do partido em orçamento, deputado Oswald Metzger, de fazer novos ataques ao maior projeto militar da Alemanha no âmbito da União Européia.

"Se o Metzger não acabar com os ataques, eu boto vocês para fora do governo", teria dito Schröder ao líder verde, segundo noticiaram os jornais Rheinpfalz e Sttutgarter Zeitung, nesta quinta-feira (14). O Departamento Nacional de Imprensa confirmou o telefonema entre Schröder e o líder do PV, mas contestou o conteúdo da conversa. O ministro do Exterior, Joschka Fischer, do Partido Verde, concorda com as críticas do chefe de governo à sua legenda. O chefe da diplomacia disse aos dois jornais que nunca vira tanto confronto entre parceiros de coalizão.

Metzger e outros dois deputados verdes responsáveis por questões orçamentárias ameaçaram rejeitar o plano de aquisição dos aviões militares. Um dia depois de Schröder ter ameaçado com o fim da coalizão, o SPD e o PV concordaram, em princípio, com uma solução conjunta para o projeto militar. Sob forte pressão dos verdes, o ministro da Defesa, Rudolf Scharping (SPD), está negociando com os parceiros europeus uma eliminação da cláusula do contrato de compra dos 73 Airbus em que a Alemanha se compromete a pagar indenização caso reduza sua encomenda. Os verdes rejeitam esta cláusula de forma categórica. França, Grã-Bretanha, Bélgica, Luxemburgo, Espanha e Portugal participam do projeto Airbus.

A parcela inicial de 5,1 bilhões de euros (US$ 4,49 bilhões) para a compra dos primeiros aviões tem de ser liberada pelo Parlamento em Berlim até o final deste mês. O dinheiro que ainda falta para o resto dos Airbus deverá sair do orçamento de 2003.