1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Avião de Morales deixa rastro de tensão diplomática na Europa

Bolivianos falam em conspiração americana, violação de leis internacionais e até em "sequestro" do presidente, forçado a pousar na Áustria. Suspeita de que aeronave levava Snowden, procurado pelos EUA, foi estopim.

O jato do presidente boliviano, Evo Morales, deixou Viena nesta quarta-feira (03/07) após escala forçada de mais 13 horas. Antes, ele tivera negada por Portugal, Espanha, França e Itália a autorização para atravessar seus respectivos espaços aéreos, pela suspeita de que estaria acobertando uma fuga do ex-consultor da CIA Edward Snowden.

Morales se dirigia a La Paz a partir de Moscou – onde participara de uma cúpula de países exportadores de gás, e em cujo aeroporto Snowden presumivelmente se encontra. O ex- consultor da CIA é procurado pelos EUA por espionagem, depois de haver levado a público atividades ilícitas da Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA, na sigla em inglês).

De acordo com o vice-primeiro-ministro austríaco, Michael Spindelegger, o presidente boliviano permitiu a inspeção do avião, sem que se constatasse qualquer presença clandestina. O avião presidencial pôde levantar voo por volta do meio-dia (na hora local) e, após uma escala para serviços técnicos em Las Palmas, nas Ilhas Canárias, rumou para La Paz.

Indignação e acusações

Mas o episódio aeroviário não se encerrou aí, e ameaça ser o estopim de um imbróglio diplomático com dimensões transatlânticas. O embaixador da Bolívia nas Nações Unidas, Sacha Llorenti Ortiz, comentou à imprensa, em Genebra: "As decisões desses países violaram a legislação internacional. Já estamos tomando medidas para denunciar o caso ao secretário-geral da ONU [...]. Consideramos isso uma agressão."

Morales und Fischer PK Wien Flughafen 03.07.2013

Presidentes Morales (e) e Heinz Fischer, da Áustria: Impaciência no aeroporto de Viena

Mostrando-se indignado, o diplomata não hesitou em acusar diretamente o governo americano. "Trata-se do sequestro do presidente durante uma viagem oficial, após uma conferência de cúpula oficial. [...] Não há qualquer dúvida que se tratou de uma ordem da Casa Branca [...]. Sob nenhuma circunstância um avião diplomático com um presidente a bordo pode ser desviado de sua rota e forçado a aterrissar num país terceiro."

O ministro boliviano da Defesa, Ruben Saavedra, também sugeriu que o Departamento de Estado dos EUA estaria por trás pelo menos da decisão de Lisboa e Paris. "Temos a suspeita de que [Portugal e França] foram usados por poderes estrangeiros, neste caso, os Estados Unidos, como forma de intimidar o Estado boliviano e o presidente Evo Morales."

Países defendem versões diferentes

Especulações e imputações à parte, nem mesmo as circunstâncias concretas do incidente estão inteiramente esclarecidas. O governo espanhol nega categoricamente que em qualquer momento tenha interditado ao chefe de Estado boliviano o acesso a seu espaço aéreo, ou mesmo exigido que o avião fosse registrado em Viena.

Edward Snowden auf der Flucht

Protesto diante do consulado dos EUA em Hong Kong: status heroico de Edward Snowden em alta

"Se houve dificuldades posteriores, foi em consequência de autorizações de sobrevoar espaços aéreos que não o espanhol", afirmou o ministro do Exterior da Espanha, José Manuel García-Margallo.

Por sua vez, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal admitiu ter negado o sobrevoo do território nacional e a aterrissagem em Lisboa na segunda-feira à tarde, mas por motivos técnicos. No entanto, a interdição de sobrevoo foi suspensa às 21h10 do mesmo dia, enquanto a aterrissagem seguiu vetada "por considerações técnicas", prosseguiu o órgão.

O governo português lamentou "qualquer incômodo junto às autoridades bolivianas, mas considera-se totalmente alheio a esse incômodo". Este teria sido, antes, provocado pela insistência das autoridades bolivianas "durante quase 24 horas", as quais "não aceitaram estudar um percurso alternativo e insistiram num procedimento que teria violado a soberania portuguesa".

O embaixador da Bolívia na França, Jean Paul Guevara, declarou numa coletiva de imprensa que Paris concedeu a autorização de sobrevoo em 27 de junho e depois a retirou, "quando o avião presidencial estava a poucos minutos do espaço francês".

A porta-voz do governo francês, Najat Vallaud-Belkacem, confirmou que "a França terminou por autorizar o sobrevoo de seu espaço aéreo pelo avião de Morales". Ela recusou-se a fornecer detalhes sobre o processo de decisão e sobre as motivações tanto da autorização quanto da não autorização, remetendo ao Ministério de Assuntos Estrangeiros, o qual, no entanto, não prestou maiores esclarecimentos.

AV/afp/lusa/ap/rtr/dpa

Leia mais