1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Autoridades registram surtos de HIV entre usuários de drogas no sul da Europa

Relatório afirma que o número de novos casos de aids entre consumidores de drogas aumentou significativamente em países como a Grécia, a Romênia e a Bulgária.

Enquanto o número de novos casos de infecção por HIV diminui entre os usuários de drogas na maioria dos países da União Europeia (UE), em alguns países do sul e do leste são verificados "surtos alarmantes", de acordo com recente relatório do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT).

Na Grécia, na Romênia e na Bulgária, a quantidade de novos casos de aids entre consumidores de drogas aumentou significativamente. Também na Estônia e na Lituânia são registrados cada vez mais casos.

Em Atenas, onde uma epidemia entre usuários de drogas foi verificada em 2011, a troca de seringas usadas por novas e as opções de tratamento foram ampliadas, disse Roland Simon, do OEDT. Ainda assim, o relatório afirma que há motivos para prognósticos preocupantes de que cresça o risco potencial para novas epidemias localizadas de HIV, em razão da decadência social de algumas zonas urbanas e dos limitados recursos financeiros dos Estados para combater o problema.

Soma-se a isso o aumento da imigração de países como a Rússia e a Ucrânia, onde existem, respectivamente, 104 e 152 incidências de aids por milhão de pessoas (a média europeia é de 2,5).

Originalmente para rinocerontes

A variedade de substâncias psicoativas aumenta cada vez mais. Apenas em 2012 o OEDT registrou mais de 50 drogas até então desconhecidas. A maioria tem como princípio ativo a substância catinona, que imita o efeito da cocaína, ou os canabinóides similares ao spice.

Também são encontrados produtos originados da mistura de muitas substâncias, o que faz com que eles não estejam previstos na legislação antidrogas.

Muitas dessas substâncias não foram desenvolvidas para serem usadas por pessoas, afirma Tim Pfeiffer-Gerschel, diretor do Observatório Alemão da Droga e da Toxicodependência, versão local da autoridade europeia. "É muito complicado avaliar os riscos dessas drogas, levando em conta que há até substâncias utilizadas para anestesiar rinocerontes."

"A maconha não é inofensiva"

Durante a apresentação do relatório, na semana passada em Berlim, a encarregada do governo alemão para drogas, Mechthild Dyckmans, reforçou sua posição contra a legalização da maconha na Alemanha, frequentemente defendida por políticos de esquerda e liberais. "A maconha não é inovensiva", afirmou. Segundo ela, há cada vez mais pacientes sendo tratados de dependência da maconha.

O OEDT registrou ainda um declínio no uso da heroína, que desde os anos 70 é a principal causa de doenças e mortes relacionadas ao uso de drogas. Isso se deve ao fato de que, hoje em dia, metade dos consumidores da droga na UE e na Noruega tem acesso a terapias de substituição.

Autor: Bernd Gräßler (rc)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais