1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Autoridades internacionais atribuem atentado em Bruxelas a antissemitismo

Ministério belga do Interior não exclui motivo antissemita para triplo assassinato no Museu Judaico. Imprensa e diplomacia israelenses apontam nacionais entre as vítimas. Netanyahu acusa campanha anti-Israel na Europa.

Enquanto a polícia belga trabalha para esclarecer o mais rápido possível o atentado a tiros que matou quatro pessoas nas proximidades do Museu Judaico da capital Bruxelas, neste sábado (24/05), o Ministério israelense do Exterior reforça as suspeitas de motivação antissemita. Segundo o órgão, duas das vítimas seriam turistas de Israel. A imprensa nacional afirmou tratar-se de um homem e uma mulher de Tel Aviv.

Também morreram no ataque uma turista francesa e um jovem belga que trabalhava no museu.

Testemunhas oculares relataram que, na tarde de sábado, um homem portando mochila entrou no museu, disparou em torno de si e fugiu a pé. A Promotoria Pública de Bruxelas confirmou a detenção de uma pessoa, porém como testemunha, e não como suspeita, como fora noticiado anteriormente.

Belgien Shooting in der Nähe des Jüdischen Museums in Brüssel 24.05.14

Ministro Reynders: choque por triplo assassinato

O ministro belga do Exterior, Didier Reynders, disse estar "chocado" com os assassinatos no Museu Judaico. "Estou pensando nas vítimas que vi lá e nas famílias delas", comentou na rede social Twitter.

O primeiro-ministro Elio Di Rupo expressou em comunicado oficial seu apoio à comunidade judaica. "Nosso país e todos os belgas, não importa idioma, origem ou fé, estamos solidários e unidos diante desse ataque a uma instituição cultural israelita."

Suposições e certezas de antissemitismo

Indagada por jornalistas sobre a possibilidade de um atentado antissemita, a ministra belga do Interior, Joëlle Milquet, admitiu que "há uma forte suposição", ressalvando que cabe aos investigadores confirmá-la ou não. Ela anunciou que seriam reforçadas as medidas de segurança para todas as instituições judaicas da Bélgica. Neste domingo são realizadas no país eleições para o Parlamento Europeu.

O chefe de governo de Israel, Benjamin Netanyahu, se disse convencido de que o atentado é atribuível a um clima antissemítico na Europa. "Esse ato assassino é o resultado de uma campanha constante contra os judeus e o seu Estado", declarou em Jerusalém. Segundo o político conservador, estariam sendo disseminadas no continente europeu "difamações e mentiras" contra o Estado israelense.

O Congresso Judaico Mundial (CJM), sediado em Nova York, referiu-se a um "abominável ato terrorista", o qual, de acordo com seu presidente, Ronald Lauder, teria claramente se dirigido contra os judeus.

Através de Catherine Ashton, sua alta representante para política externa, a União Europeia igualmente condenou o ataque, declarando solidariedade às autoridades da Bélgica e à comunidade judaica.

AV/dpa/afp/rtr