1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Autoridades européias descartam impacto negativo da alta do euro

Apesar de encarecer as exportações européias, a alta recorde do euro não ameaça a alta conjuntura da eurozona. Tendência promete se manter.

default

Desde 1995, dólar nunca esteve tão barato para os alemães

Desde sua introdução em 1999, o euro nunca esteve tão alto como agora. A moeda comum européia se mantém nesta quarta-feira (11/07) acima da marca recorde de 1,37 dólar. Os analistas econômicos prevêem que o euro permaneça neste nível nos próximos tempos. Taxas de juros crescentes e o enfraquecimento da economia norte-americana favorecem a tendência ascendente da moeda européia.

Empresários e políticos reclamaram do peso da moeda forte para os negócios internacionais. A alta sobrecarrega, de fato, os rendimentos dos conglomerados locais, mas as conseqüências negativas são bem menores do que antes. O boom econômico na Alemanha e na Europa compensa a alta da moeda. A Confederação da Indústria Alemã (BDI) não vê motivos de preocupação.

Na opinião dos economistas, a alta do euro chega num momento ideal. Afinal, nada freará a economia européia, cujo crescimento poderá até superar ligeiramente o dos Estados Unidos neste ano. A Comissão Européia prevê para a eurozona um crescimento de 2,6% do PIB, enquanto os EUA dificilmente ultrapassarão a marca de 2,5%.

Tributo mínimo para quem exporta

Em novo estudo, a Comissão Européia chega à conclusão de que um euro forte trará poucas desvantagens à Europa. A valorização desde o nível de 0,82 dólar no ano 2000 "requereu um tributo mínimo por parte da economia de exportação", avalia a Comissão.

No entanto, a alta do euro não deixa de causar uma certa apreensão. A alta cotação da moeda encarece as exportações nos países que adotam ou se orientam pelo dólar. Isso vai influenciar a conjuntura, embora as conseqüências só venham a se manifestar em 2008, avaliam especialistas. Segundo uma regra geral, uma valorização anual de 10% do euro desacelera o crescimento econômico em 0,6%.

Dólar em baixa

A atual alta do euro significa, na verdade, uma baixa do dólar. A crescente preocupação com a crise no mercado de hipotecas dos EUA provocou uma queda recorde da moeda norte-americana. A razão mais profunda, no entanto, é o gigantesco déficit da balança comercial estadunidense.

O que também incentiva a demanda pelo euro é perspectiva de aumento da taxa de juros na Europa. O Banco Central Europeu pretende elevar até o fim do ano a taxa de referência de 4% para 4,5%, enquanto os juros nos EUA se mantêm há um ano na marca de 5,25%.A baixa cotação da moeda norte-americana também atenua o preço do petróleo, negociado internacionalmente em dólar. As empresas que consomem muita energia tiram proveito desta tendência, sobretudo a indústria de aço e alumínio. (sm)

Leia mais