Autoridades dizem que navio acidentado estava próximo demais da costa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Autoridades dizem que navio acidentado estava próximo demais da costa

Promotor italiano afirma que rota seguida pelo navio acidentado Costa Concordia não era a correta. Para operadora de cruzeiros, capitão cometeu 'erros de julgamento' que tiveram 'graves consequências'.

Havia 4.200 pessoas a bordo na hora do acidente

Havia 4.200 pessoas a bordo na hora do acidente

Passadas mais de 48 horas do acidente com o navio de cruzeiro Costa Concordia, no litoral italiano na noite da última sexta-feira (13/01), as equipes de resgate encontraram na manhã desta segunda-feira (16/01) o corpo de um homem – a sexta vítima fatal da tragédia até agora. Ele vestia um colete salva-vidas e estava em um corredor dentro do navio.

Os outros mortos no acidente são dois turistas franceses, um italiano, um espanhol e dois tripulantes peruanos. No domingo, as equipes de resgate conseguiram salvar três pessoas com vida: um casal sul-coreano em lua de mel, e um italiano, que fazia parte da tripulação. Eles foram levados de helicóptero para a terra firme. Catorze pessoas, porém, continuam desaparecidas.

O pessoal do resgate explica que a busca por vítimas no navio é extremamente perigosa porque o convés está com uma inclinação de quase 90 graus, e ainda há risco de o navio deslizar sobre as pedras e afundar de vez. Eles garantem, porém, que as buscas continuam até que todo o navio tenha sido averiguado.

Suspeitas sobre o capitão

O capitão Francesco Schettino nega ter abandonado o navio

O capitão Francesco Schettino nega ter abandonado o navio

Em nota divulgada no domingo, a empresa proprietária do Costa Concordia, Costa Crociere, afirmou que o capitão, Francesco Schettino, 52 anos, responsável pela embarcação, teria cometido "erros humanos significativos" e o acusa de não ter seguido e os procedimentos da empresa no gerenciamento da emergência.

"Parece que o comandante cometeu erros de julgamento que tiveram graves consequências", afirma Crociere. A empresa é uma das maiores operadoras de cruzeiros da Europa, e alcançou em 2010 um volume de negócios de 2,9 bilhões de euros.

Schettino e seu primeiro oficial, Ciro Ambrosio, foram detidos no sábado. O promotor responsável, Francesco Verusio, declarou que o capitão teria abandonado a embarcação antes que todos os passageiros tivessem deixado o navio. Guardas costeiros também declararam que o capitão ignorou os repetidos pedidos para voltar ao navio durante a evacuação.

O capitão, no entanto, afirmou à mídia italiana que foi um dos últimos a deixar o barco e teria feito de tudo para salvar vidas. De acordo com o código italiano de navegação, um capitão que abandona um navio em perigo pode ser condenado a até 12 anos de prisão, informa a agência de notícias AFP.

"A rota seguida pelo navio não era a correta", afirmou Verusio, acusando Schettino de ter se aproximado demais da ilha Giglio. A Associação Europeia de Passageiros de Cruzeiros (Eucras, em inglês) também declarou, de posse dos dados da navegação, que o navio estava em uma área perigosa, muito perto da costa.

A população de Giglio afirmou que o navio passou muito perto da ilha na noite de sexta-feira. Há suspeitas de que Schettino tenha feito a manobra para agradar alguém. Na opinião de especialistas, a queda de energia a bordo também pode ter sido uma das causas do acidente. Sem energia, a tripulação pode ter perdido o controle do navio.

As 2,4 mil toneladas de combustível agora precisam ser retiradas

As 2,4 mil toneladas de combustível agora precisam ser retiradas

Promotores avaliam ainda que a tripulação não soube agir durante a emergência, deflagrando o início da evacuação apenas uma hora após o acidente. As caixas-pretas foram resgatadas e serão analisadas durante as investigações.

Risco ambiental

Após o trabalho de busca de vítimas, as autoridades italianas querem se concentrar na retirada das quase 2,4 mil toneladas de combustível que o Costa Concordia trazia. Até agora, nada teria sido derramado no Mar Mediterrâneo, mas o ministro italiano de Meio Ambiente, Corrado Clini, advertiu dos riscos ambientais que um eventual acidente pode trazer à região.

O Costa Concordia levava 4,2 mil pessoas a bordo, de 60 nacionalidades. Cerca de um terço dos passageiros eram italianos, seguidos de alemães e franceses. Segundo o Itamaraty, todos os 53 brasileiros a bordo sobreviveram.

O navio colidiu contra uma rocha na noite da sexta-feira, enquanto os passageiros jantavam. Eles relatam que houve muita confusão e pânico na entrega de coletes salva-vidas e quando foram baixados ao mar os botes de resgate. Eles reclamam de despreparo por parte da tripulação.

MSB/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais