1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Aumento do custo de vida contribui para indignação dos brasileiros

Inflação alta afeta sobretudo pessoas mais pobres, que veem seu poder aquisitivo cair. Política de juros baixos aqueceu a economia, mas endividou boa parte da população, que agora reage frustrada, dizem especialistas.

A atual conjuntura econômica do Brasil é um dos elementos-chave, segundo especialistas ouvidos pela DW Brasil, para explicar as manifestações que vêm tomando as ruas das cidades brasileiras há cerca de duas semanas.

Para os analistas, o aumento da inflação e, consequentemente, do custo de vida – maior do que da renda do trabalhador – reduz o poder de compra principalmente da população mais pobre e contribui para a indignação de grande parte dos brasileiros. Nos últimos 12 meses, o preço dos alimentos subiu 14% e o dos serviços, 8%, de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

"Com certeza a população, principalmente a mais carente, sofreu muito com a inflação [desde 2010, ano em que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 5,91%, superando a meta do governo, de 4,5%]. Nós tivemos uma alta nos alimentos que pesa no bolso. No geral, os preços no Brasil estão muito caros", afirmou Samy Dana, professor de economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O tomate, por exemplo, foi um dos vilões do aumento da inflação. O produto aumentou mais de 120% em 12 meses e chegou a custar mais de 10 reais por quilo no início deste ano.

"Nós temos uma das cargas tributárias mais altas do mundo [cerca de 38% do Produto Interno Bruto (PIB)], comparável com países nórdicos. Porém, não há contrapartida para a sociedade quanto à qualidade na educação, saúde e transporte público", afirmou Dana.

Menos consumo

Bückware in Supermarkt

Os preços dos alimentos subiram 14% nos últimos doze meses

A taxa de inflação verificada pelo Banco Central do Brasil nos últimos 12 meses é de 6,5%, acima da meta governamental de 4,5%. A alta dos preços corroeu os ganhos reais dos trabalhadores e promoveu a perda do poder aquisitivo dos brasileiros.

A diminuição do poder de consumo é verificada especialmente entre os 40 milhões de brasileiros que saíram da pobreza e ascenderam à chamada classe C nos últimos anos, dizem os especialistas ouvidos pela DW Brasil.

"Tínhamos notado esta situação em janeiro, quando o número de itens comprados pelas famílias nos supermercados havia se reduzido, quer dizer, o consumo já estava se retraindo nessa época", explicou Celso Grisi, professor de economia da Fundação Instituto de Administração (FIA).

"Além disso, houve o aumento da passagem do transporte público nas cidades, e isso acabou sendo o estopim para uma manifestação mais ampla, envolvendo muitos setores", acrescentou Grisi. "Isso só ocorreu porque a inflação acabou com o poder de compra dessa parcela da população", disse.

Antonio Carlos Alves dos Santos, professor de economia e comércio internacional da PUC-SP, explica que a economia brasileira está ainda totalmente indexada à inflação passada. O aumento de um aluguel, por exemplo, é calculado com base na taxa de inflação verificada nos 12 meses anteriores. "Isso é ruim, porque você traz a inflação do passado para os preços do presente. Assim, fica muito difícil você derrubar a inflação, e percebe-se no bolso o aumento de tudo", explicou.

Falsa sensação de bem-estar

Brasilien Sao Paulo Demonstration 22.06.2013

Manifestações tomam as ruas de cidades brasileiras há cerca de duas semanas

A política de juros baixos, crédito fácil e abundante e parcelamentos de compras "a perder de vista", bancada pelo governo federal, proporcionou à população o acesso a bens de consumo e estimulou a economia.

Isso protegeu a economia brasileira da crise internacional de 2008/2009. Entre os setores que foram agraciados pelo governo federal com medidas de estímulo, como a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), estão o automotivo e de construção civil.

Mas, ao mesmo tempo em que essas políticas mantiveram a economia aquecida em período de crise, proporcionaram também uma falsa sensação de bem-estar, causando grande endividamento da população.

"O governo fez um marketing muito agressivo, mostrando para o pobre que ele tinha condições de consumir em grande quantidade, o que não era verdade. Foi construída uma expectativa maior do que a realidade. E, assim, criou-se uma grande frustração, porque o indivíduo se imaginava mais rico, mas na verdade descobriu estar mais pobre", afirmou Grisi, da FIA.

"As pessoas compraram televisão nova e carro novo, mas querem mais, querem um hospital melhor. Então, o consumidor não aceita mais que os preços dos alimentos e do aluguel aumentem", explicou Alves dos Santos, da PUC-SP.

De acordo com pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), 64,3% das famílias brasileiras tinham dívidas em maio deste ano – taxa maior que os 62,9% observados em abril e os 55,9% que declararam ter dívidas em maio de 2012.

"A política de incentivo ao consumo foi importante em 2008, porque focou o mercado interno durante a crise mundial. Mas a continuação dessas políticas promoveu o 'estrangulamento' das famílias e um crescimento duvidoso. Agora, a população está muito endividada", criticou Dana, da FGV.

Ele afirmou, ainda, que a situação política é muito complicada e que não é fácil colocar em prática as mudanças que os manifestantes exigem nas ruas, "porque muitas questões podem ser resolvidas do dia para a noite, como a votação de uma PEC [Proposta de Emenda à Constituição], outras não", como a mudança de curso da política econômica do país.

Fraco crescimento econômico dificulta investimentos públicos

Além da inflação e do endividamento da população, outro problema é o tímido crescimento econômico brasileiro – de 0,9% em 2012, o pior desempenho desde 2009. O PIB do país cresceu 0,6% no primeiro trimestre deste ano e especialistas preveem recuperação lenta em 2013.

Dilma Rousseff

A presidente Dilma Rousseff apresentou propostas para abrandar os protestos

Antes da reunião desta segunda-feira (24/06) com a presidente Dilma Rousseff para discutir medidas de contenção dos protestos, o vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, criticou o baixo crescimento da economia, por diminuir o poder de ação dos estados da federação.

"A situação dos estados é muito dura. Há pouca margem de manobra, porque a economia não está crescendo muito, e a arrecadação de impostos diminui. Tivemos menos ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços], por exemplo. Dinheiro em caixa seria importante para responder aos anseios da população. É um momento difícil para todos”, frisou Pezão, de acordo com o site do jornal O Globo.

Em relação à baixa arrecadação de impostos e a melhoria dos serviços públicos – esta última, uma das principais reivindicações dos manifestantes –, Alves dos Santos explicou que a maioria dos gastos públicos não pode ser cortada, porque se trata de despesas sociais, tais como Previdência e pagamento de salários dos funcionários públicos.

"Dessa forma, o percentual que sobra para fazer investimentos [por exemplo em educação, saúde e transporte público de qualidade] é muito pequeno", afirmou Santos.

Leia mais