1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Aumenta resistência ao pacote econômico

Crescem as críticas às medidas de contenção de gastos. Médicos e protéticos protestaram em Berlim contra os cortes na saúde. E alguns deputados ameaçaram não aprovar o aumento da contribuição à aposentadoria.

default

Setor de saúde é um dos afetados pelos cortes de gastos

O pacote econômico que o governo alemão submeterá ao Parlamento na sexta-feira (15) por pouco não foi desamarrado esta semana, dias antes da votação. Não apenas parte da população está insatisfeita com o aumento da contribuição para a aposentadoria de 19,1% para 19,5%, o imposto ecológico sobre combustíveis e energia, a redução de gastos no setor da saúde e as medidas propostas para combater o desemprego.

Aposentadoria aos 67 anos?

No fim de semana armou-se uma crise, devido ao risco de faltarem de 10 a 15 votos para a aprovação do pacote, porque alguns deputados do Partido Verde se rebelavam contra o aumento da contribuição à aposentadoria. O Partido Verde integra a coalizão de governo junto com o Partido Social Democrático (SPD) do chanceler Gerhard Schröder. Os verdes exigiram e acabaram conseguindo o que queriam: uma comissão para estudar a reforma da previdência. Ela deverá propor medidas para diminuir os custos sociais do trabalho, considerando a mudança na estrutura etária da população (maior número de idosos, menor população economicamente ativa). Alguns políticos, empresários e especialistas acham inevitável que a aposentadoria seja a partir de 67 anos, em vez dos atuais 65, do contrário não haveria como arcar com os custos.

Saúde: protesto até das indústrias farmacêuticas

Por outro lado, várias organizações de classe tem realizado manifestações de protesto na capital, por conta dos cortes no setor da saúde. Nesta terça-feira (12), reuniram-se cerca de 20 mil pessoas, que atenderam ao chamado de 40 associações do ramo. Elas temem a perda de empregos nos hospitais e consultórios. Para economizar 3,5 bilhões de euros, o governo congelou as contribuições das caixas de seguro de saúde durante um ano. Médicos e hospitais também tiveram seu quinhão no orçamento congelado. A segunda-feira (11) foi o dia de protesto dos protéticos, que também saíram prejudicados com o aperto de cintos. A associação da categoria vê ameaçados 30 mil dos 66 mil empregos em laboratórios dentais na Alemanha.

Segundo o semanário Der Spiegel, grandes indústrias farmacêuticas americanas e britânicas ameaçaram cortar empregos na Alemanha, insatisfeitas com a política da ministra de Saúde e Assuntos Sociais, Ulla Schmidt. Elas se queixam da interferência do governo na fixação de preços para medicamentos patenteados. As medidas do pacote obrigam as indústrias farmacêuticas a concederem às caixas um desconto de 6% sobre o preço dos medicamentos. As indústrias calcularam que isso representaria 420 milhões de euros em 2003. Isso equivaleria a 15% da soma a ser poupada no setor, embora os remédios patenteados sejam apenas 3,5% do orçamento das caixas de seguro-saúde. Stefan Oschmann, diretor da Merck na Alemanha, acusou Schmidt de não cumprir a palavra, pois prometera não interferir nos preços, após arrecadar 205 milhões de euros das indústrias no começo do ano.

Combate ao desemprego não é ponto passivo

Ao mesmo tempo, também as medidas de combate ao desemprego, propostas pela Comissão Hartz geram controvérsia. O próprio presidente do Departamento Federal do Trabalho, Florian Gerster, colocou em dúvida a meta da comissão, de reduzir o desemprego à metade até 2005. A União Democrata Cristã (CDU), maior partido de oposição, se opõe principalmente às Agências de Serviços de Pessoal (ASP) que o governo quer criar na repartição federal. Elas funcionariam como empreiteiras, cedendo os desempregados a firmas que os contratem por tempo determinado. A oposição acha que isso deveria ficar por conta da iniciativa privada.

O ministro da Economia e do Trabalho, Wolfgang Clement, reuniu-se hoje com o vice-líder da bancada da CDU, Friedrich Merz, na tentativa de buscar um consenso. No entanto, persistiram as principais controvérsias, principalmente quanto ao cronograma para a reforma do mercado de trabalho e ao pagamento dos desempregados cedidos pelas ASP, se deveria ser inferior ao piso salarial – como propõe a oposição – ou no mesmo nível dos demais funcionários e operários contratados, como quer o governo.

Leia mais