1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Aumenta número de passageiros de Frankfurt para a América do Sul

Brasil, Venezuela e Chile foram os destinos preferidos. Dados do Aeroporto de Frankfurt indicam que passageiros estão superando o trauma dos atentados de 11 de setembro em Nova York.

default

Movimento no Aeroporto de Frankfurt começa a se recuperar

Aumentou 4,8%, em janeiro, o número de passageiros que partiram do Aeroporto de Frankfurt com destino à América do Sul. Ao todo, voaram cerca de 80 mil pessoas, principalmente ao Brasil, Venezuela e Chile.

A América do Sul ficou com o maior crescimento dos vôos intercontinentais. Em números absolutos, a América do Norte continua à frente, com 434 mil passageiros. No entanto, isso representa uma diminuição de 7,7%, em relação a janeiro de 2001.

O balanço geral, apresentado nesta quinta-feira pela Fraport, a operadora do aeroporto, permite concluir que está chegando ao fim a tendência de se viajar menos de avião, que se impôs após os atentados de 11 de setembro de 2001.

No mês passado partiram de Frankfurt 3,3 milhões de passageiros. Isso ainda representa uma diminuição de 6,2% em relação a janeiro de 2001, mas este foi um mês excepcional. Significativo é que o ritmo da diminuição vem caindo. Em outubro de 2001, a redução foi de 13,9%, em novembro, de 10,9% e, em dezembro, de 7,9%.

Mês excepcional pelo "efeito do milênio" - A comparação com janeiro de 2001 sai distorcida porque nesse mês, além do aquecimento da conjuntura, houve o chamado "efeito do milênio". Devido à passagem do milênio, muitos passageiros mudaram seus planos, adiando suas viagens para janeiro. A tendência positiva no número de passageiros foi confirmada também pelos dados das primeiras semanas de fevereiro.

O setor de carga aérea continua sofrendo os efeitos do desaquecimento mundial da economia. A partir do Aeroporto de Frankfurt foram transportadas 103.400 toneladas, contra 113.800 em janeiro do ano passado (-7,4%).

Leia mais

Links externos