Aumenta número de mortos por ingestão de loção na Rússia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Aumenta número de mortos por ingestão de loção na Rússia

Dezenas de pessoas foram hospitalizadas e 49 morreram após ingerirem loção de banho que contém metanol, como substituta para bebidas alcoólicas. Investigadores prendem suspeitos e apreendem 2 mil unidades do produto.

A prefeitura de Irkutsk declarou estado de emergência após as dezenas de mortes

A prefeitura de Irkutsk declarou estado de emergência após as dezenas de mortes

O número de mortos em Irkutsk, na região da Sibéria, em razão da ingestão proposital de uma loção para banho aumentou para 49 nesta terça-feira (20/12), o que levou a cidade a declarar estado de emergência. As pessoas que ingeriram o produto, que contém metanol, esperavam que causasse a mesma sensação que o álcool.

O Comitê de Investigações do país abriu um inquérito para investigar o ocorrido, enviando à região um grupo de investigadores de Moscou.

A polícia descobriu nas imediações de Irkutsk um alambique ilegal que teria produzido o líquido com metanol, além de diversas marcas falsificadas de vodca, prendendo os dois proprietários. Também foram presas cinco pessoas suspeitas de terem vendido o produto.

Mais de 2 mil unidades do líquido, somando 500 litros, foram confiscadas, informaram os investigadores.

Dezenas de pessoas foram hospitalizadas na cidade siberiana após consumir a substância tóxica. Um funcionário da promotoria local disse até o momento se sabe que 57 pessoas teriam ingerido o produto. Os que sobreviveram se encontram em estado grave. As vítimas tinham entre 35 e 50 anos de idade.

A prefeitura de Irkutsk impôs o estado de emergência para que os responsáveis sejam descobertos e punidos, segundo informou o portal de internet da cidade. As vendas de produtos não-potáveis e bebidas alcoólicas sem licença foram interrompidas.

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, ordenou que seu gabinete investigue o problema da venda de produtos que contêm álcool – normalmente para fins cosméticos – mas que não são fabricados para serem ingeridos e acabam sendo vendidos para alcoólatras de baixa renda. Ele disse que a comercialização desses produtos por meio de máquinas automáticas existentes em todo o país, inclusive em Moscou, é uma "desgraça absoluta".

RC/afp/rtr

Leia mais