1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Audi coleciona recordes

Montadora cresce à sombra do grupo Volkswagen e quer vender um milhão de veículos por ano. Complexa história da empresa remonta aos primórdios das indústria automobilística alemã.

default

Logotipo da Audi simboliza fusão de quatro marcas históricas

Os quatro anéis entrelaçados do logotipo da Audi AG são a marca registrada de uma das montadoras mais antigas da Alemanha. Eles simbolizam a fusão consumada em 1932 entre quatro fabricantes de veículos automotivos até então independentes: Audi, Horsch, DKW e Wanderer. Empresas de origens distintas, elas só direcionaram suas produções para a indústria automobilística, quando Henry Ford, nos Estados Unidos, já produzia carros em grande escala.

O nome Audi – e os dois primeiros anéis – originou-se de uma briga. Em 1899, August Horsch, um dos grandes pioneiros da indústria automobilística alemã, fundara em Colônia a empresa Horsch, mais tarde transferida para Zwickau, na Saxônia. Devido a dificuldades financeiras e desentendimentos internos, ele abandonou a empresa em 1909 e abriu uma nova fábrica de automóveis. Como estava proibido de usar o nome Horsch, traduziu-o para o latim – Audi ( = ouça!). O primeiro carro ficou pronto no ano seguinte e, em 1921, a Audi foi a primeira montadora alemã a apresentar um automóvel com direção à esquerda.

DKW e Wanderer – de duas a quatro rodas

O terceiro anel remonta a 1904, quando o dinamarquês Jörgen Skafte Rasmussen fundou com um parceiro em Chemnitz a Erns & Rasmussen, que produzia armaduras para vapor de escape, isqueiros, descascadores de batata e outros produtos metálicos. A partir de 1912, incluiu autopeças em seu sortimento e iniciou experimentos na área automotiva que resultariam no novo nome da empresa: DKW (Dampf-Kraft-Wagen ou Carro de Propulsão a Vapor).

O quarto anel da Audi foi forjado pelas mãos de Johann Baptist Winklhofer e R.A. Jaenicke, que em 1885 fundaram uma oficina de bicicleta em Chemnitz. O negócio expandiu rapidamente para a produção própria de bicicletas, evoluiu para o desenvolvimento de automotores em 1902 e, em 1913, saíam de fábrica os primeiros carros Wanderer. A empresa criou uma divisão encarregada de produzir máquinas-ferramenta e, sob a marca Continental, ainda fabricava máquinas de escrever e calculadoras.

Fusão foi tábua de salvação

Enfraquecidas pela crise econômica mundial do final do anos 20, nenhuma das quatro empresas tinha condições de sobreviver isoladamente. Sob o comando do Banco Estatal da Saxônia, no dia 29 de junho de 1932, as fábricas Audi, Horsch, DKW e o departamento de automóveis da Wanderer fundiram-se na Auto Union AG, com sede em Chemnitz.

Os anos seguintes foram marcados pelo crescimento da produção e o sucesso da marca no automobilismo. Sob o signo dos quatro anéis, a Auto Union logo se tornou o segundo maior grupo automobilístico da Alemanha. As estrelas da época eram seus carros de corrida de 16 cilindros e as limusines de luxo que imortalizaram o nome de August Horsch.

O período de 1939 a 1945 marcou o capítulo mais escuro da Auto Union, que, como toda a indústria alemã, dedicou-se à produção de material bélico. A fabricação de carros foi interrompida em 1939/1940. Depois da guerra, a empresa foi liqüidada e desapareceu atrás da cortina de ferro em conseqüência da divisão e reforma monetária da Alemanha. Em 03 de setembro de 1949, nascia a nova Auto Union, com sede em Ingolstadt, que primeiramente ressuscitou a marca DKW.

Quatro anéis, uma estrela e a NSU

Audi Fertigung

Linha de produção do A8 em Neckarsulm

Em 1958, a Daimler Benz comprou 87,8% das ações da Auto Union, mas a estrela de Stuttgart logo sumiu do firmamento. Quatro anos depois, a Volkswagen comprava a Auto Union por 300 milhões de marcos. Em setembro de 1965, era lançado o primeiro carro com o nome Audi – com motor de quatro cilindros e carroceria derivada do DKW F102. Seguiram-se novos modelos, inicialmente com a mesma carroceria, mas com motores de 75 cv (Audi 75), 80 cv (Audi 80), 90 cv (Audi Super 90) e, a partir de 1968, também o Audi 60 (55 cv).

O sucesso desses carros foi tão surpreendente que, apesar de a Volkswagen ser contra, a direção da fábrica de Ingolstadt passou a desenvolver modelos próprios. Partindo do estilo do pequeno Audi, surgiu o Audi 100, com o mesmo tipo de motor de seus antecessores.

A direção da Volkswagen custou a engolir o avanço da Audi e, quase que de castigo, forçou-a a fundir-se com a fábrica de motores NSU, subsidiária da Volks sediada em Neckarsulm. Em 1977, com o fim da produção do Ro 80, morreu a marca NSU, que existira por mais de 100 anos.

Embora não esteja representada por um anel no logotipo da Audi, a NSU teve uma história de pioneirismo e sucesso. Fundada em 1873 como oficina mecânica em Riedlingen, à beira do Danúbio, passou mais tarde a fabricar máquinas de tricotar, biblicletas, motocicletas e, finalmente, carros. Somente em 1913 e 1914, a NSU, com 1200 funcionários, produziu mais de 12 mil bicicletas, 2500 motocicletas e 400 automóveis. Após a Segunda Guerra Mundial, era a maior fábrica de motocicletas do mundo. Chegou a passar pelas mãos da Fiat e Volkswagen, antes de ser incorporada pela Audi.

Técnica e inovação

Seguindo a filosofia do "progresso pela técnica e a inovação", a Audi lançou em 1982 a terceira geração do Audi 100, com uma carroceria aperfeiçoada na aerodinâmica, já prenunciando o direcionamento da montadora rumo à classe de veículos prêmio. Em decorrência de uma reestruturação do grupo Volkswagen, em 1985, a Audi NSU Auto Union AG foi rebatizada em Audi AG, com sede em Ingolstadt.

Com o Audi V8, lançado em 1988, a empresa posicionou-se de vez na classe prêmio. Este modelo reunia uma série de inovações, como a tração permanente nas quatros rodas, a tecnologia de quatro válvulas e o câmbio automático de quatro marchas. Seguiu-se uma nova geração de motores de seis cilindros, com a qual a empresa oferece desde 1991 uma interessante alternativa às tradicionais marcas de veículos da classe superior. Com os motores diesel de injeção direta de 4, 5, 6 e 8 cilindros, fabricados a partir da década de 90, a Audi prestou uma contribuição decisiva ao desenvolvimento de veículos a diesel mais econômicos e menos agressivos ao meio ambiente.

Dados atuais e Audi do Brasil

Audi A6, Internationaler Autosalon Genf 2004

Audi A6: novo modelo de sucesso da montadora de Ingolstadt

Hoje a Audi tem fábricas na Alemanha (Ingolstadt e Neckarsulm), Hungria, Brasil, China, Malásia e Tailândia, com um total de 52 mil empregados. Enquanto outras empresas demitem, a montadora gerou 10 mil novos empregos nos últimos anos somente na Alemanha. Em 2003, entregou 770 mil veículos em todo o mundo, registrando um faturamento de 23,4 bilhões de dólares (oitavo ano recorde consecutivo) e um lucro de 816 milhões de euros.

Em 2004, deve bater novos recordes de produção e venda, como sinalizam os dados do primeiro trimestre (259 mil carros vendidos). O novo A6 já registra 20 mil encomendas. Nos próximos três anos, a montadora pretende lançar mais seis novos modelos. "A longo prazo, vamos aumentar as vendas anuais para mais de um milhão de carros", garante o presidente da Audi, Martin Winterkon.

No Brasil, a Audi está presente desde 1993, quando o tricampeão mundial de F1 Ayrton Senna começou a importar os carros da marca para o país. A Audi do Brasil iniciou suas atividades em 1996, passando a atuar no mercado latino-americano, onde vendeu 12 mil unidades em 2002. O modelo A3, produzido na fábrica Volkswagen/Audi de São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba), é exportado para a Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

Leia mais