1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Atrair investidores com projetos específicos

Empresários alemães destacaram os avanços na América Latina em matéria de estabilidade e potenciais oferecidos pela região, num encontro realizado na Câmara de Comércio de Hamburgo.

default

Conferência sobre a América Latina em Hamburgo

"América Latina e Europa: uma aliança forte", foi o título da conferência ibero-americana realizada em Hamburgo, com mais de 200 participantes dos setores empresarial e bancário.

Em entrevista à DW-WORLD, Klaus Lengefeld destacou as exposições feitas pelos presidentes do Banco Central brasileiro e da DaimlerChrysler no Brasil. "Eles mostraram que as grandes empresas sentem-se bem no subcontinente latino-americano, mas também vimos que há riscos e estamos lá para reduzi-los", salientou o coordenador da Sociedade Alemã de Cooperação Técnica (GTZ) para a América Latina e o Caribe.

Brasil não mais prioridade

Ainda segundo Lengefeld, o Brasil é um importante ponto de atração para as empresas alemãs, "se observarmos que 50% dos investimentos alemães na região acontecem lá". Em números, a Alemanha é o terceiro maior investidor direto na América Latina ─ depois de Estados Unidos e Espanha ─, com 42 bilhões de dólares destinados a este fim no ano passado. Destes, quase 44% foram aplicados no Brasil.

Lengefeld observa, no entanto, que as prioridades para os novos investimentos passaram a ser a Bolívia, o Peru e países da América Central, onde a economia alemã se engajou pouco até agora e há muitos problemas a serem solucionados, como a pobreza e questões do desenvolvimento.

Embora o interesse da Alemanha em relação à América Latina venha crescendo em outros setores, como o cultural, Lengefeld acha que "um pouco do interesse econômico foi perdido com o boom do sudoeste asiático.

Apresentar projetos específicos

Theodoro Krap, da missão comercial mexicana na Alemanha, vê o evento realizado em Hamburgo como uma forma de aproximação do mercado latino-americano com a Alemanha. "Lamentavelmente, em função da crise, houve uma queda, mas nos últimos tempos o interesse voltou a crescer. Ultimamente, o centro de atração dos investimentos alemães é a China, mas a América Latina não está fora de moda". Krap lembra que há muitos ramos em que se poderia investir. Mas, antes, sugere melhoramentos em áreas como a infra-estrutura e a segurança jurídica.

Por outro lado, o adido comercial mexicano adverte que não está sendo aproveitado todo o potencial existente por um questão de foco: "É preciso sair dos projetos amplos, gerais, para áreas setorizadas, isto é, baixar dos temas gerais para projetos específicos, como o financiamento em certos setores, a segurança jurídica e outros", conclui.

Leia mais