1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ativistas seminuas protestam contra Putin na Alemanha

Manifestantes interrompem passeio inaugural da Feira de Hannover para protestar contra o presidente russo, que visitava os pavilhões ao lado da chanceler Angela Merkel.

Quatro ativistas seminuas protestaram contra o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nesta segunda-feira (08/04) na Feira de Hannover, na Alemanha. A manifestação ocorreu durante o passeio inaugural do evento, conduzido por Putin e pela chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel.

As mulheres, do grupo Femen, aproximaram-se do grupo que acompanhava os dois líderes gritando palavras de ordem como "fuck dictator". Ao menos uma delas trazia essas palavras escritas no peito e "go fuck yourself, Putin" nas costas. Elas foram afastadas pela segurança sem terem alcançado Putin e Merkel.

"Eu gostei da ação", declarou Putin mais tarde, dizendo não ter visto nada demais no protesto. Merkel mencionou o direito à liberdade de expressão, mas criticou a maneira como o protesto foi realizado. "Tenho minhas dúvidas se, na Alemanha, é necessário apelar a uma ação emergencial como essa ou se não é possível expressar sua opinião de outra maneira", declarou.

Maior feira industrial

Com um passeio pela área de exposição, Merkel e Putin abriram nesta segunda-feira a Feira da Indústria de Hannover. Com mais de 6.500 expositores provenientes de 62 países, a feira é considerada a maior da indústria mundial. A Rússia é o país-convidado neste ano.

Em seu discurso de abertura, na noite de domingo, Putin enfatizou o crescimento econômico da Rússia e a taxa de desemprego relativamente baixa, que fazem do país, segundo ele, um bom local de investimentos. Enquanto ele discursava, 350 manifestantes protestavam do lado de fora, carregando cartazes com os dizeres "Deixe as ONGs em paz" e "Parem o terrorismo político."

Hannover Messe - nackte Demonstrantin

Seguranças afastaram as manifestantes

A Rússia foi duramente criticada por líderes internacionais e grupos de direitos humanos depois de as autoridades terem feito buscas, no mês passado, em dezenas de organizações não governamentais que recebem financiamento do exterior.

Por sua vez, em seu discurso de abertura, Merkel fez uma referência tácita às buscas nos escritórios das ONGs, descrevendo-as como um "motor de inovação", a quem deve ser dada a possibilidade de trabalhar para melhorar as vidas dos cidadãos russos.

CA/AS/dpa/afp