Ativistas conclamam a ação global pelos direitos humanos no Irã | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.07.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ativistas conclamam a ação global pelos direitos humanos no Irã

Anistia Internacional, Repórteres Sem Fronteiras, PEN-Club e outras organizações conclamam a ação global em 25 de julho. Chefe de governo alemã também apela a Teerã em nome dos direitos humanos.

default

Iniciativa de organizações pró-direitos humanos

No próximo sábado (25/07), as pessoas politicamente interessadas de todo o mundo estão conclamadas a se unir em solidariedade pelo movimento de protesto no Irã. O convite, divulgado em Berlim, partiu de organizações pró-direitos humanos como Anistia Internacional, Repórteres Sem Fronteiras, PEN-Club e outras.

Os organizadores exigem o respeito aos direitos humanos, uma investigação pela ONU das violações graves e sistemáticas naquele país, a libertação de todos os presos políticos "não-violentos", a liberdade de imprensa e o fim da violência promovida pelo Estado iraniano.

Discurso inflamatório

Entre os que apoiam a iniciativa encontra-se a Prêmio Nobel da Paz iraniana Shirin Ebadi, advogada e ativista política. Ela classificou a investida do movimento reformista em seu país, após a "prece de sexta-feira" do ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani, como "um acontecimento histórico, não só para o Irã, como para todo o mundo islâmico".

W

Iran Wahlen Kombo Mir Hussein Mussawi und Hashemi Rafsandjani

Mir Hussein Mussavi (esq.) e Akbar Hashemi Rafsanjani

Após o sermão do influente Rafsanjani, centenas de milhares de iranianos foram às ruas. O primeiro protesto em massa em várias semanas também foi marcado por choques violentos com a polícia. Segundo testemunhas, houve numerosas prisões, e foi empregado gás lacrimogêneo contra os manifestantes.

O prelado criticara abertamente o governo em Teerã, mencionando uma crise. "Nossa principal missão é reconquistar a confiança do povo", declarou Rafsanjani, considerado o arquirrival do presidente Mahmud Ahmadinejad.

Ele exigiu ainda a libertação das pessoas detidas durante a passeata contra a controvertida reeleição de Ahmadinejad, em 12 de junho último. "Precisamos nos tolerar mutuamente", apelou o ex-chefe de Estado de 75 anos de idade, que apoia o líder oposicionista Mir Hussein Mussavi.

Iran / Proteste

Os protestos no Irã

Apelo de Merkel

Rafsanjani é presidente de dois dos mais poderosos grêmios da república islâmica. Ele encabeça tanto o Conselho dos Especialistas, que elege o líder religioso supremo do país, quanto o Conselho de Discernimento. Este age como mediador entre o governo, o Parlamento e o Conselho dos Guardiães, dominado pelo clero.

Também a chanceler federal alemã, Angela Merkel, dirigiu apelo aos governantes naquele país: "Pedimos aos que detêm o poder no Irã: deem às pessoas aquilo que é um direito humano, um direito civil: a possibilidade de expressar livremente sua opinião, de se manifestar pacificamente".

Segundo a premiê, 20 anos após a queda do Muro de Berlim, a Alemanha tem a missão de se colocar ao lado das pessoas que, em outras regiões do mundo, exigem liberdade. "Este é o legado daqueles que nos trouxeram a liberdade e a preservaram para nós", concluiu Merkel.

AV/dpa/afp/ap
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais