1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Atentados nos EUA foram planejados na Alemanha

Dos seis que fizeram os preparativos em Hamburgo, três morreram nos atos terroristas. Os outros estão foragidos.

default

Secretário da Justiça dos EUA, John Ashcroft (d) e o diretor do FBI, Robert Mueller

Os atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos foram planejados na Alemanha. O secretário americano da Justiça, John Ashcroft, esclareceu numa entrevista conjunta com o ministro alemão do Interior, Otto Schily, em Washington, que um grupo de no mínimo seis pessoas prepararam os ataques terroristas em Hamburgo desde 1999. Três deles morreram nos atos terroristas, segundo Ashcroft. Os outros três estão foragidos e sendo procurados com mandado internacional de prisão: o marroquino Zakariya Essabar, o iemenita Ramzi Omar e o alemão Said Bahaji.

O secretário da Justiça americana e o ministro alemão elogiaram a cooperação dos investigadores de seus países. Continuam em ação na Alemanha 12 agentes da polícia federal americana, segundo Ashcroft. Schily disse concordar com as autoridades de segurança dos EUA de que Hamburgo não foi o único ponto para os preparativos para os atentados. Os seqüestradores dos aviões que se chocaram com o World Trade Center e o Pentágono tiraram o seu brevê nos EUA.

Os dois ministros concordaram que não devem lançar a culpa em diversos países, porque tanto na Alemanha quanto nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha as autoridades fracassaram por não terem descoberto a tempo os preparativos para os atentados.

Antes da entrevista conjunta, o ministro alemão admitiu que a organização Al Qaeda de Osama bin Laden, suposto responsável pelos atentados em Nova York e Washington, pode continuar mantendo terroristas na Alemanha. Em sua visita de dois dias a Washington, Schily conversou também com o encarregado do governo para segurança interna, Tom Ridge, e visitou o quartéis-generais da polícia federal FBI e do serviço secreto CIA.