Atentados no metrô de Moscou matam pelo menos 35 pessoas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Atentados no metrô de Moscou matam pelo menos 35 pessoas

Dois atentados no metrô da capital russa mataram pelo menos 35 pessoas e feriram mais de 70. Segundo as autoridades russas, as explosões foram provocadas por duas terroristas suicidas.

default

Polícia evacua estação Park Kultury

Dois graves atentados no metrô de Moscou abalaram a capital russa na manhã desta segunda-feira (29/03). Segundo autoridades russas, as explosões foram provocadas por duas terroristas suicidas e mataram pelo menos 35 pessoas. Mais de 70 foram feridas.

A polícia pediu aos 10 milhões de moscovitas que fiquem em estado máximo de alerta. Medidas de segurança foram adotadas pelas autoridades, devido ao perigo de novos ataques.

Segundo o Serviço Federal de Segurança (FSB), a agência russa de inteligência para assuntos internos, duas mulheres detonaram explosivos em seus corpos nas estações Lubyanka, onde está localizada a sede da FSB, e Park Kultury, também no centro da capital russa.

No horário de pico

As explosões ocorreram em horário de pico do metrô, quando os trens costumam estar lotados. "A informação que temos é que a primeira explosão aconteceu às 7h56 no segundo vagão de um trem que acabara de parar na estação Lubyanka", disse Irina Andrianova, porta-voz do Ministério para Situações de Emergência russo, ao telefone.

O explosivo foi detonado exatamente no instante em que as portas do trem se abriram, e as pessoas saíam para a plataforma. Pelo menos 23 pessoas morreram e 18 ficaram feridas tanto dentro quanto fora do vagão.

Russland Zahlreiche Tote bei U-Bahn-Explosionen in Moskau‎ NO FLASH

Bombeiros em operação na estação Lubyanka

"Logo em seguida, às 8:37, houve uma segunda explosão na estação Park Kultury. Novamente, a explosão se deu no segundo vagão, quando as portas se abriam. Estimamos que nesta houve 12 mortos e mais 12 feridos", afirma Andrianova. "Nos dois casos, trata-se de um explosivo desconhecido. Atualmente, oficiais do Ministério de Situações de Emergência, bombeiros e forças de segurança estão em operação."

De acordo com as autoridades russas, foi usado um explosivo que se estilhaça, liberando fragmentos, a fim de ferir o maior número possível de pessoas. A bomba que explodiu em Lubyanka tinha uma carga explosiva comparável a três quilos de TNT.

Lembranças de 2004

Os cidadãos de Moscou ficaram chocados, se recordando do ano de 2004, quando um atentado suicida matara 40 passageiros. De acordo com as autoridades, o autor era um guerrilheiro separatista do Cáucaso do Norte.

O prefeito de Moscou, Yuri Luzhkov, disse que acredita que os ataques são de autoria das "viúvas negras", como são chamadas as mulheres dos guerrilheiros mortos do Cáucaso do Norte.

Militantes islâmicos daquela região têm ameaçado várias vezes realizar ataques na Rússia. Nas últimas semanas, foram reforçadas as operações antiterrorismo na Inguchétia, no Daguestão e na Chechênia, nas quais foram mortos líderes importantes da guerrilha. Os rebeldes haviam jurado vingança.

Autora: Christina Nagel / Márcio Damasceno
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais